Manuel Balce Ceneta/ AP
Manuel Balce Ceneta/ AP

Líder democrata do Senado cria playlist anti-Trump no Spotify

Chuck Schumer escolheu canções de Stevie Wonder, The Who, Eagles, entre outros

AFP

02 Maio 2017 | 08h01

O líder dos senadores democratas americanos publicou no Spotify uma lista de músicas contra o presidente republicano, Donald Trump, que comemorou neste fim de semana seus primeiros 100 dias de mandato.

A seleção do senador Chuck Schumer, em sua maioria de canções pop, tem músicas do The Who Won't get fooled again ("Não seremos enganados novamente", em tradução livre), duas de Stevie Wonder, You haven't done nothin' ("Você não fez nada") e He's misstra know-it-all ("Ele é o sr. sabe tudo").

Várias canções fazem alusão às críticas contra o presidente pela liberdade com a qual ele interpreta os fatos: Lies ("Mentiras") de Thompson Twins, Lyin' eyes ("Olhos mentirosos") dos Eagles, e Beautiful liar ("Belo mentiroso") de Beyoncé e Shakira.

Também há referências ao gosto do presidente pelas estadias em seu luxuoso clube de Mar-a-Lago, na Flórida, com Working for the weekend ("Trabalhando para o fim de semana"), de Loverboy, e 9 to 5 ("9h às 17h"), de Dolly Parton.

Trump e Schumer, ambos nova-iorquinos, se conhecem há tempos mas nunca se deram bem. Trump zombou do senador democrata quando ele se emocionou, chegando a chorar, ao falar em público contra a decisão do governo do republicano de proibir a entrada de cidadãos de vários países muçulmanos e de refugiados nos Estados Unidos.

Talvez em referência a este episódio, Schumer incluiu na lista The tears of a clown ("As lágrimas de um palhaço"), de Smokey Robinson e The Miracles.

A lista do Spotify chega ao fim com o hit do rapper canadense Drake Hotline bling, com seu refrão "You used to call me on my cell phone" ("Você costumava ligar para o meu celular").

Schumer, como Trump, não é conhecido pela habilidade tecnológica. O senador de 66 anos ainda utiliza um celular de flip que possivelmente não lhe dá acesso ao Spotify.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.