Let It be agora também é coisa nossa

Zé Ramalho, Sá & Guarabyra, os pernambucanos da banda Profiterolis, entre outros artistas de diferentes gerações e estilos, reuniram-se em torno de um acontecimento marcante da história do rock: o último disco dos Beatles, Let it Be. Lançado em 1970, o LP em que foram registradas canções como a faixa-título, Get Back, I"ve Got a Feeling Don"t Let Me Down, foi regravado, com novos arranjos, por artistas/fãs brasileiros, e está saindo pelo selo Discobertas por ocasião de seu 40.º aniversário.

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2010 | 00h00

Foi em abril de 70 que se deu o que aficionados de todo o planeta temiam: o anúncio da dissolução do quarteto, em caráter irrevogável. Em maio, com um longa-metragem que documentava o processo de ensaios, a EMI inglesa lançaria Let it Be, já gravado num clima de desavença. Presença constante nas listas dos melhores de todos os tempos, o álbum foi objeto de adoração de muitos brasileiros.

"O filme dos Beatles no meu cinema interior começa em I Wanna Hold Your Hand e termina em Let it Be. Para mim, Let it Be é o fundo musical que acompanha a rolagem dos letreiros na tela. Só quem acompanhou passo a passo a história, aprendeu, cresceu junto, pode sentir quão triste foi saber que estavam separados", diz Guarabyra, que gravou com o parceiro Sá a faixa-título do volume 1 do projeto Beatles"70. Zé Rodrix participaria, mas morreu em maio de 2009, quando a data da ida ao estúdio estava sendo marcada.

Zé Ramalho canta The Long and Winding Road e Isn"t It a Pity. O mais reverente dos beatlemaníacos, segundo o criador do projeto, o produtor Marcelo Froes - "é capaz de cantar qualquer música de qualquer disco" -, Zé, de 60 anos, foi bem influenciado pela banda inglesa na juventude. Ouve até hoje, e tem predileção pelas canções de George Harrison, como Isn"t It a Pity. "São mais acústicas e contêm mensagens espirituais, que para uns é caretice, mas para mim são de grande beleza!"

O cantor e compositor paraibano é entusiasta de iniciativas como a de Froes. Participou das regravações do Álbum Branco, em 2008, e Abbey Road, em 2009, por ocasião de seus 40 anos, lançados pela Discobertas e que reuniu cantores e bandas do País todo. Rodrigo Santos, baixista do Barão Vermelho, é outro que disse sim à convocação. Gravou com a cantora Marília Bessy a faixa For You Blue. "Eu gosto de tudo que sai de Beatles, tocado em ritmo de choro, com orquestra... É tão melódico e rico que é muito difícil alguém estragar. Acho legal ouvir as canções em outra época, de outra maneira."

O volume 1 tem ainda gravações não-inéditas de Cássia Eller (Get Back), Os Britos com Zélia Duncan (Two of Us), Jane Duboc (Across The Universe), e a banda de reggae Planta e Raiz (Don"t Let Me Down); as demais foram produzidas especialmente para o projeto, separadamente.

A Discobertas está lançando também um volume 2 do Beatles"70, com dez regravações de faixas dos primeiros trabalhos-solo dos quatro. Entre os convidados, estão Lobão (Instant Karma, de Lennon), Zeca Baleiro (Mother, de Lennon), Ivan Lins (Love, de Lennon) e Roupa Nova (My Sweet Lord, de George Harrison). "São pessoas que adoram Beatles e aproveitam qualquer oportunidade de cantar as músicas. As músicas não ficaram datadas, como muita coisa dos anos 60", conta Marcelo Froes, que vetou bandas covers.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.