Leilões batem recordes

Christie's movimenta US$ 3.5 bilhões em negociações no primeiro semestre

O Estado de S.Paulo

19 de julho de 2012 | 03h10

A loja de leilões de obras de arte Christie's anunciou ontem que o primeiro semestre de 2012 movimentou cerca de US$ 3,5 bilhões em negócios mundiais, cifra superior 11% em relação ao mesmo período do ano passado (contabilizadas comissões).

O total também inclui vendas privadas, que alcançaram um total de US$ 661,5 milhões, quantia que representa o dobro do negociado no ano passado. Segundo analistas, trata-se do mais bem sucedido semestre do mercado de arte mundial.

"Observamos um aumento constante nas vendas na Christie's impulsionado por três fatores principais: a crescente demanda mundial para a arte, a qualidade e a curadoria de remessas importantes e nossa consistência em oferecer o melhor serviço e maior escolha aos nossos clientes", argumentou Steven P. Murphy, executivo da empresa.

A arte contemporânea e a do pós-guerra lideraram as vendas, somando US$ 921,8 milhões. O preço mais alto foi pago para a obra Orange, Red, Yellow, pintada em 1961 por Mark Rothko: US$ 53,8 milhões, recorde mundial para uma peça contemporânea.

Entre as obras mais recentes, destaque para o quadro Sem Título, pintado por Jean-Michel Basquiat em 1981. No segundo semestre, motivado pela Olimpíada de Londres, que começa dia 27, o calendário de leilões promete ser novamente intenso, especialmente com negociações realizadas on-line.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.