Leilão impressionista rende US$395 milhões em Nova York

Os leilões de arte do outononorte-americano começaram bem na terça-feira, quando a casaChristie's obteve o segundo melhor resultado da história paraarte impressionista e moderna. Os novos recordes marcados paraobras de Matisse, Pissarro e Signac contribuíram para o totalde 395 milhões de dólares obtido com o leilão. O receio de que a crise nos mercados imobiliário e decrédito levaria os grandes compradores a refrear seus gastosfoi aliviado quando diversos compradores competiramacirradamente pela tela "L'Odalisque, Harmonie Bleue", deMatisse. A obra de 1937, que foi oferecida em leilão pela primeiravez, obteve o maior preço da noite -- 33,64 milhões de dólares,incluindo a comissão da casa --, quebrando o recorde anteriordo artista -- 21,7 milhões de dólares -- e muito acima daestimativa máxima, que era de 20 milhões de dólares. O leiloeiro e presidente honorário da Christie's,Christopher Burge, disse que "o resultado foi extraordinário --superou nossas maiores expectativas". Mais de 80 por cento das obras oferecidas encontraramcompradores. Telas de Picasso foram responsáveis por três dos 10 preçosmais altos do leilão, mas um nu que se esperava fosse vendidopor mais de 10 milhões de dólares não encontrou comprador,segundo Burge. "Cabeça de mulher", um dos célebres retratos "Dora Maar" dePicasso, foi arrematado por 16,3 milhões de dólares, quase odobro da estimativa máxima anterior. Os leilões continuam na quarta-feira na Sotheby's.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.