Leilão de Damien Hirst em Londres desafia pessimismo econômico

O artista plástico multimilionárioDamien Hirst superou todas as expectativas na terça-feira aoromper recordes com a venda em leilão de 218 trabalhos por 111milhões de libras (198 milhões de dólares), chamando a atençãopara a força e resistência do mercado de arte. Outros dois trabalhos foram vendidos de modo privado nasegunda, e três ficaram sem comprador na terça, após o leilãoinusitado que passou ao largo da rede tradicional de vendas pormarchands, indo diretamente para a sala de leilão da Sotheby'sem Londres. "É algo icônico, inerentemente britânico", disse umcomprador no leilão da Sotheby's que pediu para ficar anônimo."O trabalho dele [Hirst] desafia as pessoas, e em termosvisuais é estarrecedor." Apesar do desaquecimento econômico global, o leilão jogoupor terra os temores de que o grande leilão de Hirst pudesseinundar o mercado de arte e prejudicar os preços. Depois dearrecadar 70,55 milhões de libras na noite de segunda, outros41 milhões foram obtidos na manhã e tarde da terça. As casas de leilões vêm apelando para os compradores "àprova de recessão" do Oriente Médio e da Rússia, onde os preçosrecordes do petróleo agigantaram mais ainda fortunas jámaciças, e também aos super-ricos de economias emergentes comoa Índia. Pelo fato de ter leiloado seu trabalho, Damien Hirst poderáficar com uma parte muito maior do dinheiro levantado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.