Leilão de arte arrecada US$40 mi para combate à Aids na África

Colecionadores de arte contemporâneadesembolsaram 42,6 milhões de dólares em um evento beneficentedo Dia dos Namorados nos Estados Unidos, que contou com oroqueiro Bono e o artista britânico Damien Hirst. Lances animados e preços muito acima das estimativasmarcaram o leilão "The (Red)", da Sotheby's, no qual todos os83 trabalhos de arte doados encontraram compradores, comexceção de uma obra. O total de 42.585.300 dólares obtido superou até mesmo asexpectativas mais altas, de 29 milhões de dólares. A Sotheby'sdisse que o leilão, em benefício da luta contra a Aids naÁfrica, foi um dos maiores eventos beneficentes da história. Os lucros do leilão serão revertidos ao Fundo Global dasNações Unidas para seu combate à Aids na África, e à marca"Red", criada por Bono, de produtos de grandes empresas,incluindo Apple, Gap, Microsoft e Hallmark, que já geraram 58milhões de dólares para a luta contra a Aids. Bono disse que foi uma noite histórica e comentou: "Estoumuitíssimo comovido, depois de ver pessoas morrendo por faltados dois comprimidos diários ( necessários para tratar a Aids". Os artistas contemporâneos estão entre os principaisbeneficiários do boom do mercado de arte nos últimos dez anos,mas Bono disse: "Esta noite, eles são os heróis." Em seguida, ele cantou "All You Need Is Love" na sala deleilões lotada, acompanhado pelo público, numa cena surreal einusitada para o mundo dos leilões. Entre o público presente estavam o empresário de rapRussell Simmons, a apresentadora de TV Martha Stewart, a rainhaNoor da Jordânia, o roqueiro Michael Stipe e o tenista JohnMcEnroe. Damien Hirst contribuiu sete obras para o leilão, incluindo"Where there's a will there's a way", uma escultura grande dearmário de remédios contendo centenas de comprimidos anti-HIVfeitos de metal. A obra foi vendida por 7,15 milhões dedólares. Cinco trabalhos de Hirst estiveram entre os dez vendidospor preços mais altos. A Sotheby's reduziu sua comissão e doouseus lucros ao fundo da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.