Leilão bate recorde para quadro de Monet

Um dos quadros de Monet sobre o temados nenúfares foi vendido por 41 milhões de libras (80,5milhões de dólares) na terça-feira, dobrando o recorde atingidopor obras do artista até então e garantindo um começo promissorpara a temporada atual do mercado de arte de Londres. Previa-se que "Le Bassin aux Nymphéas" arrecadasse entre 18milhões e 24 milhões de libras, mas, depois de uma intensabatalha de lances, o quadro bateu o recorde anterior para umaobra de Monet, de 41,5 milhões de dólares, atingido em maio. A pintura integrava uma sessão de vendas de obrasimpressionistas e de arte moderna realizada na casa Christie'se responsável por levantar 144 milhões de libras (284 milhõesde dólares), o maior montante total para um leilão ocorrido naEuropa. Todas as cifras incluem os prêmios dos compradores. Olivier Camu, chefe da sessão de arte impressionista e dearte moderna da Christie's em Londres, disse que o leilão"exemplifica a força e a confiança existentes no mercado dearte". Alguns especialistas previram uma correção ou mesmo umcolapso nos valores das obras devido às más notícias vindas dosmercados mundiais, entre as quais a queda das bolsas, aelevação do preço do petróleo e a crise no mercado imobiliário. A Christie's, a Sotheby's (maior rival dela) e outras casasde leilão de Londres realizam uma série de vendas de obras dearte moderna e contemporânea nos próximos dez dias, períododurante o qual peças com um valor total de mais de 1 bilhão dedólares passarão pelo crivo do martelo. No mesmo leilão de terça-feira, um pastel de Degas foivendido por 13,5 milhões de libras, bem acima da estimativa de5 milhões, tornando-se o segundo maior preço pago por uma obrado pintor em um leilão.De olho no futuro próximo, a Christie's realiza seu principalleilão de obras contemporâneas e do pós-guerra nasegunda-feira, oferecendo entre outros "Naked Portrait WithReflection", do pintor britânico Lucian Freud, que deve atingiralgo entre 10 milhões e 15 milhões de libras. O artista, 85, estraçalhou o recorde de preço atingido emleilões para a obra de um artista ainda vivo quando, em maio,seu quatro "Benefits Supervisor Sleeping" atingiu 33,6 milhõesde dólares em Nova York. Meios de comunicação afirmaram que o comprador da obrateria sido o magnata russo Roman Abramovich, o que chamaatenção para o crescente peso do país dele no mercado de obrasde arte ao lado do Oriente Médio e da Ásia. Abramovich, proprietário do Chelsea, clube que disputa ocampeonato inglês, também teria comprado o "Triptych, 1976", deFrancis Bacon, por 86 milhões de dólares, um outro recorde paraleilões, desta vez para uma obra do pós-guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.