Leia trechos de 'Companhia' e 'As Peças de Samuel Beckett'

Companhia

24 de março de 2012 | 00h33

Um garotinho você sai das Lojas Connoly segurando a mão de sua mãe. Vocês dobram à direita e avançam em silêncio em direção ao sul ao longo da estrada. Depois de uns cem metros vocês rumam para o interior e encaram a subida íngreme em direção a casa. Vocês abrem caminho em silêncio de mãos dadas através do ar parado e quente do verão. É fim de tarde e depois de uns cem metros o sol aparece no topo da ladeira. Ao olhar para o céu azul e depois para o rosto de sua mãe você quebra o silêncio, perguntando se ele não está na realidade muito mais distante do que parece . O céu que dizer. O céu azul. Ao não receber nenhuma resposta você refaz mentalmente a sua pergunta e uns cem passos mais tarde olha para o rosto dela outra vez e pergunta se ele não parece muito menos distante do que está na realidade. Por alguma razão que você nunca conseguir sondar essa pergunta deve tê-la irritado excessivamente. Pois ela sacudiu sua mãozinha pra lá e deu uma resposta cortante que você nunca esqueceu.

(excerto de Companhia, do livro Companhia e Outros Textos, de Samuel Beckett, publicado pela Editora Globo)

Fim de Partida

Esperando Godot, que foi escrita à mesma época que a trilogia de romances - Molloy, Malone Morre e O Inominável - era essencialmente uma apresentação dramática da visão desenvolvida nesses trabalhos. Na trilogia, o destino dos três personagens mostra que "adiante", naquele universo, não leva a lugar nenhum. Eles viajam em demandas e até crescem, ao menos no sentido de perder ilusões, mas o fim último de seu desenvolvimento é a condição do Inominável, perplexo, perdido, completamente desiludido até mesmo com a possibilidade do conhecimento, mas incapaz de parar de falar consigo e de tentar explicar o inexplicável E Todos os Que Caem, ainda que escrita aproximadamente sete anos depois, reflete essencialmente a mesma visão da vida humana. Fim de Partida, porém, é um novo ponto de partida. Essa peça não oferece respostas, assim como as obras anteriores, mas deixa aberta a possibilidade de que um novo caminho para fora da velha rotina pode levar, se houver a coragem de percorrê-lo, a uma nova visão e a uma nova vida.

(Excerto do livro As Peças de Samuel Beckett, de Eugene Webb, lançamento da Editora É Realizações que chega às livrarias em abril)

Tudo o que sabemos sobre:
SabáticoliteraturaSamuel Beckett

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.