Leia trecho do livro 'Uma Relação Perigosa', de Carole Seymour Jones

Obra detalha relação de Jean-Paul Sartre com Simone de Beauvoir

07 de fevereiro de 2014 | 22h39

“Em Camus, assim como fora outrora com Nizan, o insignificante e covarde Sartre viu o homem de ação que aspirava a ser e que foi imortalizado nas páginas como o Brunet de Os Caminhos da Liberdade. Em Camus ele viu um homem vivendo o compromisso com a Resistência que apenas era capaz de observar de um canto afastado, lamentando o fracassso do “Socialismo e Liberdade”. Camus representava um tipo ideal para Sartre, seu “brilho e ofuscamento”, como Beauvoir descreveu, cegando o homenzinho ainda aprisionado em sua cabeça, debatendo-se com teorias e sistemas. Como um amante rejeitado, Sartre recordou em 1952 o que Camus significara para ele durante a guerra: “Entregar-se sem reservas para a Resistência. Vivenciar inteiramente uma luta austera, sem glória ou fanfarra cujos perigos dificilmente eram enaltecidos; e pior, correndo o risco de se ver rebaixado e aviltado.

Em 1952, Sartre, por um ou dois segundos, admitiu a verdade. Camus foi o autêntico combatente da Resistência  que Sartre não foi. De um modo geral, Sartre e Beauvoir, indissoluvelmente ligados um ao outro com suas mentiras, maquinaram uma versão oficial dos eventos em que Sartre reivindicava uma paridade com Camus.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.