Leia a repercussão sobre a morte de Armando Nogueira

Governador e prefeito do Rio decretaram luto oficial; jornalista Sílio Boccanera diz ele 'cultuava o bom texto'

estadao.com.br,

29 de março de 2010 | 10h59

Em nota conjunta, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), e o prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes (PMDB), lamentaram a morte do jornalista Armando Nogueira, na manhã desta segunda, 29. Eles decretaram luto oficial de três dias no Estado e na capital. A nota elogia o jornalista e seu estilo marcante de escrever que, para os dois políticos, "se confunde com os melhores momentos do futebol brasileiro." Na nota, eles também lembraram a sua opção por viver no Rio, definindo Nogueira como "um acreano que, na juventude, veio morar no Rio de Janeiro e se transformou em um dos ícones do jornalismo do país."

 

Veja também:

linkMorre no Rio o jornalista Armando Nogueira

 

Muitos jornalistas que trabalharam com Armando Nogueira expressam sua opinião sobre o colega, em entrevistas ou pelo Twitter, onde também se lê palavras em homenagem ao comentarista esportivo.

 

Silio Boccanera, jornalista - "Ele admirava a palavra." Foi assim que o jornalista Sílio Boccanera, da TV Globo, definiu por telefone para a Globonews o amigo Armando Nogueira, que morreu na manhã desta segunda-feira, 29. "Fui contratado pelo Armando pra trabalhar na TV Globo, vivíamos um período de censura no Brasil e ele aguentou isso com habilidade diplomática e paciência. Ele cultuava o bom texto, adorava dar um palpite pra melhorar uma frase. Era uma pessoa que admirava a maneira boa de escrever e incentivava isso nos jornalistas", disse Silio.

 

Pedro Bial, apresentador da Globo - O jornalista teve Nogueira como seu primeiro chefe e disse sentir como se tivesse perdido um pai. "Ele conseguia ver além do jogo de futebol. O drama que se desenrola além do placar. Foi dele a frase célebre: "Garrincha, um anjo de pernas tortas!", lembrou Bial.

 

Boninho, diretor do BBB 10 - "Deixo meu beijo para o jornalista, amigo, aviador, poeta e criador do JN, Armando Nogueira. Nosso Manduca acaba de falecer no Rio de Janeiro!", escreveu em seu Twitter.

 

Boni, ex-diretor da TV Globo, em entrevista à Globonews - "Ele foi uma figura muito importante na época da ditadura. Foi um baluarte na defesa da liberdade, com sua capacidade de diálogo. Vamos creditar isso à luta da liberdade de expressão", afirmou. "Ele era uma pessoa polivalente. A poesia estava presente em tudo na sua vida. Era uma pessoa realmente maravilhosa", completou.

 

Galvão Bueno, apresentador esportivo - "O comandante decolou". "Ele tinha paixão por ultraleves. Sempre foi nosso mestre. Quando chegar nossa vez, o caminho estará pronto, ele nos dará todas as instruções. Aprendi demais nessa amizade fraterna durante os últimos 30 anos", disse.

 

Renata Capucci, jornalista - "Mestre Armando Nogueira morreu", escreveu ela em seu microblog.

Tudo o que sabemos sobre:
Armando Nogueira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.