Legista confirma que Whitney Houston foi encontrada na banheira

Legistas completaram no domingo a autópsia do corpo da cantora Whitney Houston e confirmaram que ela foi encontrada na banheira em seu quarto de hotel em Beverly Hills, mas disseram que a causa da morte não seria determinada até que mais testes de laboratório fossem realizados.

STEVE GORMAN E R.T. WATSON, REUTERS

13 de fevereiro de 2012 | 08h36

O subchefe dos legistas do Condado de Los Angeles, Ed Winter, revelou pouco sobre a autópsia em uma coletiva de imprensa, mas disse que os médicos não encontraram nenhum sinal visível de trauma ou de um ato criminoso.

Ele se recusou a comentar sobre os vários relatos na imprensa de que Whitney, de 48 anos, havia se afogado na banheira do hotel, possivelmente após sucumbir às drogas ou álcool. Ele afirmou: "Eu não vou comentar sobre qualquer medicação ou prescrições que foram obtidas."

Ele disse que exames toxicológicos, que levam entre seis a oito semanas para serem concluídos, seriam necessários para determinar que influência, se houve alguma, drogas ou álcool poderiam ter tido na morte da cantora.

Winter disse que o caso estava sendo protegido por uma "barreira de segurança", como em outras investigações de grande atenção midiática, para impedir que mais detalhes fossem divulgados.

O relatório dos legistas foi divulgado no mesmo dia em que se realizava a cerimônia de premiação do Grammy, a alguns quilômetros de distância, no Staples Center, em Los Angeles, onde o rapper e ator LL Cool J homenageou a estrela do pop antes do início do espetáculo musical, repleto de artistas.

Whitney, que desfrutou de enorme sucesso profissional, mas lutava contra o abuso de drogas havia anos, morreu no sábado à tarde em seu quarto no Beverly Hilton Hotel.

(Reportagem adicional de R.T Watson, Mary Slosson, Jill Sergeant, Dan Whitcomb e Piya Sinha-Roy)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEWHITNEYMORTEBANHEIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.