João Miguel Junior/AE
João Miguel Junior/AE

Laura Cardoso: perfil da atriz sai em livro

Biografia da atriz é uma entre muitas que serão lançadas na Coleção Aplauso, na 34.ª Mostra

Patrícia Villalba , O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2010 | 06h00

Quando encontra uma pessoa como Laura Cardoso, você só pode mesmo fazer um pensamento positivo para que chegue aos 83 anos como ela, tão empolgada com a vida e com o trabalho como atriz. Ela não tem dúvidas de que aquela coisa de sair escondida dos pais para atuar nas radionovelas da Rádio Cosmos de São Paulo deu certo, e a trajetória seguiu exitosa durante toda a vida, do rádio à TV em alta definição.

 

Esse caminho foi revisto e narrado pela atriz à jornalista Júlia Laks, que lança nesta quinta, 28, o livro Laura Cardoso - Contadora de Histórias, mais um título da Coleção Aplauso da Imprensa Oficial. No evento, no Shopping Frei Caneca, serão lançadas outras biografias, aproveitando a 34ª Mostra Internacional de Cinema. "Saía do colégio de trancinha para a rádio e continuo na ativa com mais de 80 anos", diz ela, com indisfarçável orgulho à biógrafa.

 

Laura é hoje uma das atrizes mais requisitas da TV, que não lhe dá descanso - quando não está em personagem fixa, tratam de convidá-la para uma participação especial. Atualmente, ela é a Mariquita da novela das 6 da Globo, Araguaia, de Walther Negrão. Apenas na emissora, Laura participou de 24 novelas, a primeira delas, Brilhante, de Gilberto Braga, em 1981. "Hoje, depois de mais de 30 anos de TV Globo, torço para trabalhar com o Gilberto novamente", confessa ela.

 

Laura é uma das poucas profissionais do rádio que conseguiu se adaptar rapidamente à chegada da televisão, em 1950. Um dos momentos mais divertidos do livro é quando ela conta a aventura dos primeiros passos na TV e, mais adiante, sobre chegada revolucionária do videotape. "O advento modificou o nosso processo de trabalho, na medida em que nos permitiu parar a encenação para corrigir erros. E, se por um lado as pausas garantiram um produto final sem - ou com poucas - gafes, por outro, interrompiam a emoção do momento", detalha ela, para quem essa quebra da emoção, uma maneira de encenar tão diferente do teatro, foi a principal dificuldade dos atores no final dos anos 50.

 

Com voz grave e forte, perfeita para mulheres severas, como a Isaura de Mulheres de Areia (1993), Laura surpreende ao se mostrar uma pessoa de grande humor, que equilibra com leveza e coragem diante da vida. São muito engraçadas as histórias sobre como fugia de casa com a amiga Janete Clair, "para aproveitar os bailes, as festas". "Participamos até de um programa, onde dançávamos diante do auditório lotado as músicas que o Henrique Foréis Domingues, o Almirante, cantava", lembra ela, fazendo jus ao título do livro que é lançado hoje. "O ato de contar histórias é mesmo muito poderoso. Nessas horas, me sinto privilegiada por ser atriz. Tenho quase 70 anos de carreira e jamais escolheria outra atividade. Sou definitivamente uma pessoa do meu meio."

 

Também na coleção:

Críticas de Jefferson Del Rios

Dois volumes com textos da carreira do jornalista, incluindo os que escreveu neste Caderno 2

Antônio Petrin - Ser Ator

O veterano ator de teatro, TV e cinema, por Orlando Margarido

Geraldo Vietri - Disciplina é Liberdade

O autor de novelas e diretor de cinema, por Vilmar Ledesma

Marlene França - Do Sertão da Bahia ao Clã Matarazzo

Por Maria do Rosário Caetano

Ana Carolina Teixeira Soares - Cineasta Brasileira

Por Evaldo Mocarzel

O Teatro de Marici Salomão

A dramaturga e suas peças Bilhete, Impostura, Maria Quitéria e Território Banal

Carmem Verônica - O Riso com Glamour

Por Cláudio Fragata

 

Coleção Aplauso - Shopping Frei Caneca. Rua Frei Caneca, 569, 4º andar, telefone 3472-2000. Hoje, a partir das 19 h.

Mais conteúdo sobre:
Laura Cardoso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.