Lápide de Shakespeare passará por reparos apesar de maldição

Inscrição no epitáfio do dramaturgo adverte para maldição que cairá sobre quem mexer em seu túmulo

Efe,

28 de maio de 2008 | 11h21

A lápide onde estão sepultados os restos do dramaturgo William Shakespeare, na Inglaterra, passará por reparos, apesar da inscrição em seu epitáfio que adverte para uma maldição que cairá sobre quem se atrever a movimentá-la. O túmulo do "Bardo" será reparado como parte de uma reforma na igreja da Santíssima Trindade, na localidade de Stratford-upon-Avon, onde nasceu o escritor, anunciaram nesta quarta-feira, 28, as autoridades responsáveis pelo templo. A lápide, a qual os arquitetos afirmam que não será mexida, traz gravada uma inscrição que diz: "Bendito seja o homem que não incomode estas pedras / E que a maldição esteja com quem movimentar estes ossos". Aparentemente, foi o próprio escritor inglês - batizado em abril de 1564 e enterrado 52 anos depois nesta igreja - que escreveu estas linhas antes de morrer. A advertência do Bardo ajudou a manter sua lápide intacta durante quase quatro séculos. Ian Stainburn, porta-voz da firma de arquitetura Stainburn Taylor, encarregada dos trabalhos de reparação do templo, afirmou nesta quarta que os restos do escritor não serão tocados. "Evitaremos a maldição", disse Stainburn, explicando que a lápide precisa ser reformada por causa dos danos decorrentes da passagem do tempo.

Tudo o que sabemos sobre:
William Shakespeare

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.