Lançada autobiografia de Carlos Lacerda

Rosas e Pedras de meu Caminho, de Carlos Lacerda é a autobiografia do ex-governador do Estado da Guanabara e uma das personalidades mais controversas da política nacional dos últimos 60 anos será lançada na 10.ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro aberta hoje. O lançamento é da Editora Universidade de Brasília, em parceria com a Fundação 18 de Março - Fundamar, já que a UNB é detentora do acervo de documentos de Carlos Lacerda. Ao comprar a biblioteca de 20 mil volumes de Lacerda, a universidade recebeu também seu arquivo pessoal. A doação, feita pela família do político dois anos após sua morte, inclui fotos, discos, cópias de jornais, revistas, documentos e correspondências com Juscelino Kubitschek, Carlos Drummond de Andrade, Mário de Andrade, entre outras personalidades. A vasta documentação abrange a vida política e cultural do Brasil entre os anos de 1930 e 1977. Os textos originais que compõem o livro foram preparados por Túlio Viera da Costa, diretor-presidente da Fundação 18 de Março, têm prefácio do jornalista Fernando Morais.Por falta de patrocínio, o material ficou guardado durante quase 20 anos. A Fundação 18 de Março, entidade mineira que tem como objetivo preservar bibliotecas e livros raros, financiou a compilação do arquivo. A iniciativa custou cerca de R$ 12 mil. Os documentos foram organizados em 4 séries: vida pessoal, produção intelectual, vida empresarial e vida política. Durante a catalogação do arquivo foram encontrados textos de Lacerda publicados inicialmente na revista Manchete e escritos inéditos que relatam sua vida política, suas prisões, seus objetivos de vida - um deles, o desejo de assumir a presidência da República, descrito inicialmente com entusiasmo e obstinação, termina com uma certa dose de frustração. A reunião de todo esse material se transformou no livro de 306 páginas Rosas e Pedras de Meu Caminho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.