Imagem Fábio Porchat
Colunista
Fábio Porchat
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Laico

Eu sou ateu. Não acredito em nada. Absolutamente nada. Pra mim morreu, morreu, antes ele do que eu. Nosso estado é laico, ou seja, a religião não tem que se meter nas decisões políticas. Mas quando eu vejo o Eduardo Cunha realizando um culto na Câmara, eu me ofendo, não como ateu, mas como cidadão desse País. 

Fábio Porchat, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2015 | 02h00

Esse precedente aberto é muito perigoso, porque uma vez permitido por um lado, todos os outros têm que ter o seu direito respeitado. E se amanhã um deputado quiser realizar uma cerimônia de umbanda, ele poderá? Na teoria sim, na prática ele talvez tomasse uma pedrada na cabeça. 

A Câmara não é lugar pra culto. Quer rezar, reze pra você ou vá para sua igreja. A tal bancada religiosa está ganhando uma força que assusta, porque não defende os interesses da população e sim seus interesses próprios. 

O povo não quer que o Eduardo Cunha reze, quer que ele faça. Eduardo, pode deixar que o seu Deus tá fazendo a parte dele, agora, como líder da Câmara, faça a sua. Combata a intolerância religiosa e não a incentive. Quando você privilegia uma religião, está dizendo que ela é mais importante que as outras e dando mais poder a ela. Por causa dos evangélicos, a homofobia não é considerada crime. As pessoas tinham que julgar sem colocar sua crença na frente. 

A questão das células tronco, casamento gay, aborto, tudo isso não é discutido de forma séria por causa de religiosos que não conseguem colocar de lado um tipo de pensamento que não é o pensamento de toda a população. Não é Deus que tem que decidir sobre o aborto, somos nós, humanos. 

Ninguém aqui tem a missão de representar nenhum Deus. Se o seu Deus quiser impedir qualquer coisa, pode acreditar que ele vai dar o jeito dele. Ele não precisa de você, ele é Deus. E quando uma criança de onze anos é atacada em um centro espiritualista no Rio, nós percebemos que estamos em um processo seriíssimo de “muçulmanização radical” dos nossos evangélicos. E eles acreditam estar com a razão. 

Precisamos dar um basta nisso agora, antes que eles ganhem mais força e façam um estrago maior. Ninguém é obrigado a acreditar em nada, ou melhor, cada um acredita no que quiser, então não me venha enfiar nada goela abaixo. Nem na minha, nem na de nenhum brasileiro. No momento em que você coloca o pé dentro da Assembleia ou da Câmara, Deus fica do lado de fora guardando seu carro. Ponto.

P.S. A moça quer abortar, vocês não deixam. Os gays querem adotar, vocês não deixam. Mas, se o moleque vira bandido, vocês querem ver morto.

Mais conteúdo sobre:
Fábio PorchatCrônicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.