La Terrasse traz Bretanha aos Jardins

A vida do chefe de cozinha francês Alain Uzes mudou totalmente quando ele veio ao Brasil para umas férias. Ele gostou tanto que vendeu o seu restaurante na cidadezinha de Saint-Gilles-Croix de Vie, na Bretanha, veio para São Paulo e assumiu o restaurante La Terrasse, onde faz com competência pratos da cozinha tradicional francesa. Um restaurante simples, com preços razoáveis que ficam ainda mais atraentes quando comparados aos da maioria dos franceses da cidade.Ele ocupa uma residência adaptada na Haddock Lobo com um terraço protegido por vidraças, que justifica o nome da casa. Nele, umas cinco mesas na parte fechada e mais três do lado de fora. Depois, um salão claro, sem decoração especial, com um bar de madeira ao lado e uma adega refrigerada ao fundo, o que é encorajador para quem gosta de vinhos. O cardápio é conciso e apresenta seis entradas (com preços entre R$ 12 e R$ 28); três saladas (entre R$ 14,50 e R$ 18); três peixes (todos a R$ 19); quatro pratos com camarão (entre R$ 29 e R$ 30) e seis carnes (entre R$ 19,50 e R$ 28). Nos almoços, um menu executivo também com preço atraente, R$ 11,50, e que propõe uma opção entre quatro saladas e três pratos quentes. Serviço cordial, embora o garçom não soubesse descrever os pratos convenientemente. O foie gras feito na casa foi vítima da pressa, pois veio gelado, sem gosto. O foie gras é feito com o fígado de pato submetido a uma alimentação forçada e fica macio, saborosíssimo. Ele só mostrou sua classe e textura depois de se adaptar à temperatura ambiente. Realmente delicioso, bem feito. Com muito sabor ainda a salada com torrradas ao gorgonzola. Os pratos com camarão têm presença marcante no cardápio e a salada de camarão com manga justifica esse destaque. Filé ao molho de mostarda fraco, sem muito gosto. Alain justifica dizendo que recebeu muitas reclamações quando fazia o prato à maneira francesa, muito mais forte e picante. O magret de canard à l´orange (peito de pato desossado) meio sem gosto, faltando sal, mas macio, no ponto certo e com um molho adequado, não doce demais. Apenas correto o namorado com molho de manga.Carta de vinhos bem elaborada. Ela não é extensa e nem propõe grandes vinhos. Em compensação, nota-se que foram escolhidos e não impostos por vendedores de importadoras. As taças poderiam ser melhores. Pratos da casa Foie gras feito na casa (R$ 28); salade La Coupole (camarão com manga, R$ 16); salada com torradas ao gorgonzola (R$ 12); tagliatelle com funghi e pato fatiado (R$ 18); salmão ao estragão (R$ 19); namorado com molho de manga fresca (R$ 19); camarão ao uísque (R$ 30); camarão gourmandes de La Terrasse (molho feito com creme de leite, tomate, conhaque e Madeira, R$ 29); magret de pato com molho de laranja (R$ 28) e filé molho de mostarda ( R$ 19,50). O couvert custa R$ 3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.