´Kramer´ vai se desculpar com líderes afro-americanos

Primeiro ele se desculpou em rede nacional pelos comentários racistas dirigidos a dois negros. Agora, o Kramer da série de TV Seinfeld, Michael Richards, resolveu contratar o assessor Howard Rubenstein, um especialista em relações públicas, que vai ajudá-lo a entrar em contato com líderes da comunidade afro-americana, os reverendos Jesse Jackson e Al Sharpton."Michael está profundamente arrependido. Ele quer curar a dor que causou ao povo americano e a toda a comunidade afro-americana", declarou Rubenstein, acrescentando que vai tentar entrar em breve em contato com Jackson e Sharpton. "Eles são muito gentis e eu os conheço há anos", revelou.Jackson, procurado pela Associated Press, disse, por telefone, que Richards está expressando todo o seu remorso e a sua culpa, mas que ele claramente precisa de uma ajuda psiquiátrica. "Sua raiva é perigosa para ele e para os outros", disse Jackson, que criticou a sociedade que "produz esse tipo de animosidade". "Nós (negros) estamos sendo cada vez mais isolados em Hollywood, nos filmes e na TV".Howard Rubenstein foi contrato pelo comediante dias após Richards ter comparecido ao programa de TV de David Letterman, de grande audiência nos EUA, para se desculpar pelos insultos racistas que proferiu na última sexta-feira, na boate The Laugh Factory, em Los Angeles. Richards insultou dois negros depois que disseram ao ator que ele não era engraçado. "Reagi mal, me irritei e disse coisas muito desagradáveis a dois afro-americanos", afirmou Richards. O site TMZ.com postou um vídeo com cenas do episódio.O arrependimento de Richards foi repercutido na terça pelas principais redes de televisão americanas, acompanhadas de comentários de ativistas, que não consideraram satisfatória a atitude do ator. No entanto seu ex-companheiro de série, Jerry Seinfeld, e o humorista hispânico Paul Rodríguez, o defenderam. A carreira de Richards nunca voltou a decolar desde o fim de Seinfeld, em 1998, série que ficou nove anos no ar.O incidente ocorre meses depois de o ator e diretor Mel Gibson proferir insultos anti-semitas ao ser detido por dirigir bêbado, em Malibu. As declarações de Gibson causaram grande polêmica em Hollywood, e provocaram pedidos de outros atores, como Jerry Lewis, de que Gibson não voltasse a trabalhar nesta indústria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.