Kirov Ballet abre temporada em SP

Amanhã, o Kirov Ballet, em turnêpor todo o Brasil, dá início à sua temporada em São Paulo noCredicard Hall. Cerca de 20 mil pessoas já assistiram àtradicional companhia que está circulando pelo País desde julho,com as coreografias Gala - Noite de Estrelas, O Corsário, Lago dos Cisnes e Manon.O público paulistano poderá conferir as três primeiraspeças, que serão apresentadas até o dia 2. Nesse período, ogrupo vai fazer um pequeno intervalo e levará Gala paraFlorianópolis, no dia 27, no Teatro do CIC, e para Porto Alegre,nos dias 28 e 29, no Teatro do Sesi.Gala é uma coreografia criada com trechos de váriosbalés de diferentes coreógrafos, como Serenade, deBalanchine; Arlequinada, de Petipa; e O Espectro da Rosa, de Fokine, entre outros. Essa é uma peça que mostra para opúblico a versatilidade e a técnica dos bailarinos.O Corsário é um balé criado por Jules Perrot eMarius Petipa. Quando se fala em Kirov, logo seu nome éassociado aos de Petipa e Perrot. O jovem Petipa veio deMarselha e chegou a São Petersburgo um ano antes de Perrot. Por20 anos foi o primeiro bailarino e segundo coreógrafo dacompanhia, enquanto Perrot reinava por lá. A partir de 1870tornou-se maître do grupo e criou uma série de balés quemarcaram a dança do século 19.Regras exatas - Petipa tem grande influência na dançaacadêmica, criou mais de 50 balés de repertório, definindoregras exatas para pas-de-deux, adágios e variações. A precisãoé uma de suas marcas. O Corsário é baseado em um poemahomônimo de lord Byron e a ação está focada em uma disputapolítica entre gregos e turcos. O enredo é simples: o amor e asalvação da jovem grega Medora, pelo corsário Conrad. Anarrativa tem como cenário Adrianópolis e a ilha grega de Kós.Em cena, temas como intrigas e disputas. A música é assinada porAdolphe Adam. A première de O Corsário ocorreu no Teatro daÓpera de Paris em 1856 e até hoje é uma peça muito aplaudida emtodo o mundo.O mesmo efeito é causado pelo Lago dos Cisnes,também de Petipa, com a trilha de Tchaikovski, que dá o tom àtragédia. Esse balé estreou em 1877 no Teatro Bolshoi de Moscou.A coreografia conta a história de uma princesa que foitransformada em cisne pelo bruxo Rohbart. Somente à meia-noite,ela e suas companheiras, que padeceram da mesma sina, voltam àforma humana. Numa certa noite, a princesa encontra o príncipeSiegfried, a ser interpretado pelo talentoso Viktor Baranov, queequilibra força e habilidade no papel.Tradição - Outro destaque da companhia é SvetlanaZakharova, que interpreta a Medora, em O Corsário, uma jovemde 22 anos que arrancou elogios da crítica inglesa nessatemporada. Farouk Ruzimatov consolidou sua fama como o principalbailarino do elenco masculino. Outros destaques são MayaDumchenko, Uliana Lopatikina, Yulia Makhalina e DianaVyacheslav.A fama dos balés russos começou a ser difundida em 1909,com os bailarinos de Diaghilev. O mundo inteiro conheceu nomestalentosos como Nijinsky e Ana Pavlova. A escola de Diaghilevtornou-se uma referência para a dança clássica, povoa oimaginário das pessoas e faz parte de uma história ainda maisantiga.Em 1738, a imperatriz Anna Ivanovna resolveu criar umaEscola Imperial de Dança em São Petersburgo e convidou o francêsJean Baptiste Landé para comandá-la. Em 1783, Catarina, a Grande inaugurou o primeiro teatro lírico, feito com pedras edenominado O Grande Teatro de Pedro. Em frente deste teatrohavia um circo popular construído com madeira. Em 1847, foierigido um outro, bem maior, também de pedra. Em 1859, umincêndio o destruiu e, em seu lugar, foi erguido um outro, peloarquiteto Albert Cavos, para homenagear a mulher do czarAlexandre II.Em 1860, foi inaugurado o Théatre Marie, em russoMaryinski, a residência do Kirov Ballet, na época, Balé doTeatro Maryinski. Em 1935, a companhia teve seu nome alteradopara Kirov Ballet, uma homenagem a um líder comunistaassassinado. Essa referência, após a abertura política, passou aser incorreta e o teatro voltou a ser chamado de Maryinski.Atualmente, a marca Kirov ficou para reconhecimento e finscomerciais.Uma tradição de mais de 255 anos de história revela umdesafio para o diretor da companhia, Makhar Vaziev: manter aaura que leva pessoas de todo o mundo a lotarem os teatros, semficar parado no tempo. Vaziev tem a tarefa de renovar um balletsem deixar de lado a tradição. O diretor nasceu na Geórgia,estudou na Academia de Ballet Vaganova, escola vinculada aoKirov Ballet. Em 1979, entrou para a companhia e 16 anos depoisse tornou seu diretor.Para ele, é importante manter, na tradição, aquilo queimporta, e também introduzir novas peças, mas, mais que isso,sua meta é ampliar o repertório dos bailarinos, educando-os peladiversidade. Quando um artista aprende novas coreografias, temcontato com maneiras diferentes de pensar e conceber a dança.Dessa forma, há uma amplitude na criação de novos movimentos.Por essa razão, Manon, criada por Mac Millan em 1974, estánesta temporada - um balé narrativo sem ser do repertório doséculo 19. Outros coreógrafos estão sendo convidados para mudara visão da companhia.O corpo de baile é um aspecto importante para Vaziev,que afirma categoricamente buscar bailarinos que saibam pensar.Para ele, os artistas devem estar atentos ao que se passa nomundo, nas mudanças e em novas linguagens. O que implica outrodesafio: criar um estilo para a companhia, sem, no entanto,perder as peculiaridades de cada ser humano que dança. Essa éuma tarefa árdua para todos os diretores. O Kirov tem a visão dadança clássica como patrimônio histórico, mas está aberto anovas tendências.Infanto-juvenil - Além das apresentações, o Mozarteum,que promove a vinda do grupo para a cidade com a Dell´Arte,promove no sábado matinê às 11 horas. Crianças e adolescentesaté 15 anos terão entrada gratuita e pessoas acima dessa idadepagam R$ 10. O público poderá assistir ao aquecimento, a umaaula dos bailarinos e a alguns trechos de O Corsário. Serão75 minutos sem intervalo.Kirov Ballet. "O Corsário" e "Gala - Noite deEstrelas", de amanhà (23) a sábado, às 21 horas; domingo, às 17horas; "O Lago dos Cisnes", dia 30, às 21h30, 31/8 e 1.º/9, às22 horas, dia 2, às 17 horas. Regência de Boris Gruzin. De R$ 50,00 a R$ 250,00. No dia 25, matinê para jovens - R$ 1000 e grátis para menores de 15 anos. Credicard Hall. AvenidaNações Unidas, 17.955, tel. 3177-3663. Até 2/9. Patrocínio:Accenture, Embratel e Correios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.