Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Kiribati!

As surpresas começaram durante o desfile das delegações na (magnífica) inauguração da Olimpíada do Rio. Várias delegações eram de países que eu não sabia que existiam. Onde fica Comores? Em que canto do mundo se esconde Djibuti? E Vanuatu? Algumas delegações eram de poucos atletas e nenhuma ambição de medalhas. Outras, tenho certeza, só estavam ali para testar a minha ignorância geográfica. Duvido que existam, mesmo, Nauru, Butão e Palau.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

11 Agosto 2016 | 02h00

Outra coisa que eu ignorava era é que no Brasil se joga rúgbi – feminino! O rúgbi, como se sabe, foi inventado por ingleses que achavam o futebol um jogo para meninas, ou procuravam um pretexto para se agarrarem sem provocar falatório. Parece que as nossas surpreendentes meninas não estão fazendo feio.

O esporte mais decepcionante de todos é a esgrima. É verdade que fomos mal acostumados pelo cinema, em que lutas de espada são sempre emocionantes, com os espadachins trocando estocadas e contraestocadas e muitas vezes destruindo o cenário à sua volta, até que um seja trespassado pelo florete do outro. Na esgrima como esporte não há nada parecido com a coreografia empolgante que nos acostumamos a ver no cinema. Os competidores se enfrentam, avançam e recuam, um esperando uma brecha na defesa do outro, e suas espadas raramente se cruzam. Às vezes, uma só estocada, que, em vez de trespassar o outro, dispara uma luzinha e um sinal de que ele foi atingido, decide tudo. Eu sei, eu sei, a esgrima tem sutilezas que o espectador nem sempre nota e deve ser apaixonante para quem o pratica. Mas a única emoção que me provoca é a de saudade do D’Artagnan.

China e Estados Unidos, pelo que se está vendo, devem dividir a maioria das medalhas de ouro. O que já se esperava. Eu confesso que tinha uma secreta esperança de que surgisse uma grande revelação e o maior nome desta Olimpíada. Um nadador de Burundi, por exemplo. Um levantador de peso de Brunei Darussalam. Alguém de Kiribati!

Mais conteúdo sobre:
Crônica Olimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.