Keanu Reeves é inocentado em processo movido por brasileiro

A Justiça de Los Angeles inocentou na segunda-feira o ator Keanu Reeves em um processo civil movido pelo fotógrafo brasileiro Alison Silva, que dizia ter sido atropelado propositalmente Silva diz que foi derrubado e machucou o pulso em março de 2007, quando tentava tirar fotos de Reeves deixando a sofisticada área de Ranchos Palos Verdes (Los Angeles) em seu Porsche. O brasileiro pedia indenização de cerca de 640,8 mil dólares por despesas médicas e lucros cessantes. A deliberação do júri levou cerca de uma hora. Reeves, 44 anos, astro da série "Matrix", disse em juízo na semana passada que não atropelou o paparazzo para evitar as fotos, e que na verdade o homem tropeçou e caiu. O rapper Kanye West e os atores Gerard Butler, Matthew McConaughey e Pierce Brosnan estiveram envolvidos neste ano em problemas judiciais com paparazzi. Algumas autoridades municipais de Los Angeles cogitam novas leis, que incluiriam uma "zona de segurança pessoal" entre as celebridades e os fotógrafos. Silva disse que fazia fotos de Reeves depois de o ator visitar sua irmã, que sofre de um distúrbio alimentar. O advogado do brasileiro disse que ao júri que naquela noite seu cliente agia de forma discreta, não agressiva. Já o advogado de Reeves, Alfred Gerisch, disse ao júri na semana passada que Silva arriscou desnecessariamente a sua própria segurança por causa da foto. "Ele esperava ganhar muito dinheiro naquela noite com uma imagem que achava que poderia vender. Atirou sua cautela ao vento, jogou fora o bom senso." (Reportagem de Jill Serjeant)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.