Karabtchevsky deve dirigir Sinfônica de Heliópolis

Troca de guarda na Sinfônica de Heliópolis, orquestra principal do Instituto Baccarelli, que desenvolve projeto pedagógico em uma das maiores favelas do País. O maestro Roberto Tibiriçá, que ocupava o posto de diretor artístico do grupo desde 2005 e comandou os músicos em outubro durante sua bem-sucedida turnê pela Europa, foi demitido na semana passada e, em seu lugar, deve assumir o maestro Isaac Karabtchevsky, que é diretor da Sinfônica Petrobras, no Rio, e em novembro renunciou ao posto de diretor artístico e regente-titular da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre.

AE, Agência Estado

07 de dezembro de 2010 | 10h03

O maestro Tibiriçá, em conversa na manhã de ontem com o Estado, garantiu que fará hoje o seu último concerto com a sinfônica, na Sala São Paulo, apresentação para o Mozarteum Brasileiro. Ele, no entanto, disse não querer falar sobre sua substituição, dizendo apenas estar "magoado e triste" com a saída do instituto, no qual desenvolveu trabalho "amoroso, ao qual me dediquei de corpo e alma durante todos estes anos". Ele diz já ter informado ao instituto, porém, que não vai reger o concerto de Natal da orquestra, marcado para o dia 19 de dezembro na Sala São Paulo. Na quarta, ele embarca para Belo Horizonte, onde rege no começo da semana que vem o Messias de Haendel com a Sinfônica de Minas Gerais, da qual é diretor.

Novos rumos - O Instituto Baccarelli não confirma a contratação de Karabtchevsky, mas sua volta a São Paulo para comandar os músicos de Heliópolis é dada como certa no meio musical e deve ser confirmada ainda esta semana. Segundo o instituto, a saída de Tibiriçá não se deve a problemas na atividade do maestro mas, sim, a rearranjos na estrutura interna de trabalho. "Não se trata simplesmente da substituição de um maestro, e esse é um ponto importante. Estamos encerrando um ciclo da nossa história e iniciando um outro, o que passa necessariamente pelo redesenho de diversos aspectos pedagógicos e artísticos na atividade de instituto. O maestro Tibiriçá desenvolveu nos últimos cinco anos um trabalho extremamente importante com os músicos da orquestra, que cresceu bastante sob seu comando. Mas sentimos que é hora de dar novos passos e trocas como essa são naturais tendo em vista um processo crescente e constante de profissionalização de nossas atividades", diz o diretor de relações institucionais do instituto, Edmílson Venturelli, que promete para breve o anúncio de uma série de novos projetos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.