Koji Sasahara/AP Photo
Koji Sasahara/AP Photo

Justin Bieber pede desculpas por visita polêmica a templo japonês

Cantor postou uma foto em frente a um santuário que homenageia líderes japoneses considerados criminosos, mas em seguida se desculpou pela gafe

Reuters

23 de abril de 2014 | 11h20

O cantor pop canadense Justin Bieber, frequentemente envolvido em confusões, pediu desculpas nesta quarta-feira por ter visitado um santuário de Tóquio que está no centro de uma amarga disputa internacional em relação às guerras do Japão no passado.

Bieber, de 20 anos, postou uma foto em mídias sociais de sua visita ao Santuário de Yasukuni, com o título: "Obrigado por suas bênçãos".

A foto foi posteriormente excluída, apesar de ter sido republicada em outros lugares na Internet, inclusive por um grupo de fãs de Bieber, e provocou críticas da Coreia do Sul e China.

O santuário homenageia 14 líderes japoneses condenados como criminosos de guerra após a Segunda Guerra Mundial, ao lado de japoneses mortos. Visitas de políticos japoneses ao santuário enfurecem as vítimas dos conflitos passados do Japão, incluindo a Coreia do Sul e a China.

Autoridades chinesas afirmam que visitas de políticos japoneses ao santuário seriam equivalentes a políticos alemães colocarem flores no bunker de Hitler.

O assunto é especialmente delicado esta semana, quando cerca de 150 parlamentares visitaram o local e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, fez uma oferenda para marcar o festival anual de primavera do santuário.

Bieber disse mais tarde que havia visitado Yasukuni por engano após avistar um santuário bonito e ter pedido a seu motorista para parar, acreditando que era "apenas um lugar de oração".

"Peço desculpas a qualquer pessoa que eu possa ter ofendido", disse Bieber no Instagram. "Eu te amo China e eu te amo Japão".

O porta-voz da chancelaria chinesa, Qin Gang, disse anteriormente que esperava que Bieber tivesse aprendido alguma coisa com a sua visita.

"Espero que este cantor canadense, depois de visitar o santuário de Yasukuni, possa compreender e conhecer esse período de militarismo da história de invasões do Japão", disse Qin.

Bieber é popular na China e já se apresentou lá, embora sua popularidade não se aproxime da de estrelas de Hong Kong e Taiwan idolatradas na China.

(Reportagem de Ruairidh Villar e Kevin Krolicki, em Tóquio, Christine Kim, em Seul, e Ben Blanchard em Pequim)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEBIEBERJAPAODESCULPAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.