Justin Bieber é criticado por desejar que Anne Frank fosse sua fã

O pop star adolescente Justin Bieber virou alvo nas mídias sociais depois de o museu Anne Frank House relatar que ele escreveu no livro de visitas da entidade esperar que a jovem vítima do Holocausto fosse uma "belieber", o termo popular que designa suas fãs.

Reuters

14 de abril de 2013 | 15h34

Uma publicação na página do Facebook do museu no sábado disse que Bieber tinha visitado na noite anterior e ficado mais de uma hora, junto com um grupo de amigos e guardas e com os fãs esperando do lado de fora por "um vislumbre dele".

"Em nosso livro de visitas, ele escreveu: 'Verdadeiramente inspirador poder vir aqui. Anne era uma grande menina. Esperançosamente ela teria sido uma belieber'", disse o museu em sua publicação no Facebook.

Em relação à última frase no livro de visitas, uma grande parte das centenas de comentaristas da publicação do museu no Facebook reagiram negativamente à escolha de palavras de Bieber.

"Anne Frank uma belieber? Essa é de longe uma das coisas mais egoístas que eu já li, tipo sempre", escreveu a usuária do Facebook Tania Saez Pinto.

Comentaristas da mídia também se juntaram à polêmica.

Scott Simon, apresentador da Rádio Pública Nacional os Estados Unidos, disse no Twitter: "Anne seria sábia o suficiente para apenas rir".

Um representante de Bieber não retornou as ligações ou um email neste domingo a respeito da controvérsia sobre seu comentário no livro de visitas.

Anne Frank, que morreu aos 15 anos no campo de concentração de Bergen-Belsen em 1945, é uma das mais notórias vítimas judias do Holocausto.

Leitores em todo o mundo leram seu diário, que foi primeiramente publicado em 1947 e detalha privações e triunfos pessoais que ela e sua família passaram no tempo em que se esconderam da ocupação nazista na Holanda.

(Por Alex Dobuzinskis)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEJUSTINBIEBERANNEFRANK*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.