Justiça do Uruguai arquiva caso de nora do poeta Juan Gelman

Um tribunal de segunda instância de Montevidéu suspendeu na quarta-feira todas as investigações sobre María Claudia García, nora do poeta argentino Juan Gelman, desaparecida em Montevidéu após dar à luz a uma menina em 1976, informaram fontes judiciais.O tribunal uruguaio acolheu um pedido do promotor Enrique Moller, que considera não ser possível investigar o caso da argentina María Claudia porque, em 2003, o processo foi incluído na chamada "Lei de Caducidade", de 1986.A decisão do tribunal cancela todas as investigações abertas sobre o caso e impede que, a partir de agora, os peritos judiciais intervenham nas escavações feitas em áreas militares para encontrar os restos da desaparecida. Aos advogados de Gelman, resta a possibilidade de entrar com recurso extraordinário na Corte Suprema.Fontes judiciais disseram que, a partir da decisão do tribunal de apelações, fica suspensa a ordem de fechamento de fronteiras ordenada pelo juiz Gustavo Mirabal para os sete militares pelo suposto envolvimento do grupo no desaparecimento da nora de Gelman.Depois de anos de busca o poeta, radicado no México, conseguiu localizar, no ano 2000, sua neta nascida em Montevidéu durante o cativeiro de María Claudia, que estava casada com Marcelo Ariel Gelman, também seqüestrado em 1976 e cujos restos apareceram em 1978.Acredita-se que María Claudia foi levada de um centro de detenção clandestino de Buenos Aires ao Uruguai, como parte da colaboração entre os líderes das ditaduras do Cone Sul conhecida como "Operação Condor".A nora de Gelman deu à luz em um hospital militar de Montevidéu e depois nunca mais vista. Sua filha foi entregue à família de um policial uruguaio, que a criou sem revelar-lhe sua identidade.A Comissão para a Paz, que investigou, a pedido do ex-presidente do Uruguai, Jorge Batlle, o desaparecimento de pessoas no Uruguai, sustentou que não havia certeza de que a nora de Gelman tivesse sido assassinada no país.O presidente Tabaré Vázquez, que assumiu o governo uruguaio em 1º de março, prometeu ao presidente da Argentina, Néstor Kirchner, "fazer o possível" para localizar os restos da nora de Gelman.Poeta maior - Gelman é considerado um dos maiores poetas argentinos da atualidade. Seu filho e nora foram mortos durante a ditadura argentina. Com isso, Gelman iniciou uma ampla campanha, apoiada por intelectuais de esquerda, para encontrar sua neta. A jovem, nascida em 1976, foi encontrada mais tarde pelo avô e só então descobriu sua verdadeira história. Sua obra entretanto foi consagrada por uma geração de leitores que o acompanham desde a publicação de seu primeiro livro, "Violin y otras cuestiones", em 1961. Sua popularidade só pode ser comparada à influência que exerceu e exerce sobre poetas pela América Latina afora. No México, Colômbia, Nicarágua, Uruguai, Argentina e na Venezuela, as leituras públicas dos poemas de Gelman despertam comoções.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.