Juntos, sabático e Bookforum

Suplemento do Estado publica a partir de amanhã, com exclusividade, textos da prestigiada revista norte-americana

Lúcia Guimarães, O Estado de S.Paulo

08 Abril 2011 | 00h00

A partir de amanhã, o Sabático, suplemento de livros do Estado, passa a publicar, regularmente, com exclusividade no Brasil, artigos da prestigiosa revista norte-americana BookForum. A parceria é a primeira que a publicação - uma referência no mercado literário, dentro e fora dos EUA - fecha com um órgão de imprensa. A BookForum é a irmã caçula da ArtForum, a mais importante revista de arte contemporânea em língua inglesa e uma das mais influentes do mundo. A revista literária teve origem nas resenhas de livros de arte publicadas pela ArtForum e começou semestral, em 1994. Hoje a BookForum tem cinco edições impressas por ano e o publisher Anthony Korner espera que a revista se torne bimensal num futuro próximo.

Já a ArtForum completa 50 anos em 2012 e passou por várias encarnações editoriais. Começou na Califórnia e se mudou para Nova York em 1967. Em 1979, foi comprada por um grupo liderado por Korner. Inglês educado para seguir os passos do pai no tradicional banco de investimentos Warburg, onde trabalhou, Korner durou pouco no mundo das finanças. Pediu demissão do banco e foi para a Índia, na década de 70, onde dirigiu e produziu cinema independente, envolvido com dois amigos, o diretor James Ivory e o falecido produtor Ismail Merchant, responsáveis, entre outros filmes, por Uma Janela Para o Amor e Vestígios do Dia.

A influência da ArtForum, na década de 80, era em parte devida a uma jovem editora, a carismática Ingrid Sischy, que depois assumiu a Interview, com a morte de Andy Warhol. Sob o comando de Sischy, a ArtForum alavancou carreiras de artistas como Julian Schnabel e Francesco Clemente. A revista popularizou os conceito de high art e low art e foi pioneira em ampliar a cobertura de arte para incluir cinema, vídeo e moda.

À medida que se estabeleceu como revista literária, a BookForum, além de incluir não ficção, poesia e ensaios, tornou-se conhecida por divulgar a produção editorial de editoras acadêmicas ou menores. "Não temos nada contra o grande livro", diz Anthony Korner, "mas há enorme qualidade e circulação de ideias nas obras de editoras independentes e universitárias. Elas não chegam a um público maior".

O publisher diz que um dos prazeres de produzir uma revista literária é lidar com grandes autores. "Fico feliz de constatar como ótimos escritores se dispõem a escrever resenhas de livros", diz. O atual número da revista, com Julian Assange na capa, traz resenhas de Luc Sante e Daphne Merkin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.