Juntos, Lelé e Herzog

O suíço Jacques Herzog e o lendário arquiteto brasileiro João Filgueiras Lima, o Lelé, juntaram-se na última quarta-feira no Auditório Ibirapuera, para uma aula aberta. O encontro, promovido pelo Arq.Futuro, fez-se memorável ao colocar lado a lado dois profissionais de gerações, nacionalidades e trajetórias distintas; e por ter dado ao público a chance de ouvir de Lelé o relato sobre uma arquitetura que se desenrola longe dos holofotes e perto do canteiro de obras. Abaixo, o relato do encontro emocionante, feito por Marisa Moreira Salles e Tomas Alvim, sócios da Bei Editora e organizadores do evento:

O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2011 | 03h08

"Lelé, aos 80 anos, parecia frágil ao subir ao palco. Exibia um curativo na testa, resultado de uma queda recente. Mas não precisou de esforço para prender a atenção dos jovens da plateia, mostrando projetos que desenvolveu ao longo de mais de cinco décadas. O que se viu não foi o culto da forma e da beleza, mas da essência. Lelé se voltou, desde sempre, para a infraestrutura básica, desenhando casas populares, escolas, pontos de ônibus, calçadas, canais de esgoto. Os hospitais da rede Sarah, para os quais desenhou até mesmo leitos e equipamentos, inscrevem-se entre os mais notáveis exemplos de arquitetura social no País. Para descobrir respostas rápidas e baratas para questões sociais prementes, aprofundou-se na pesquisa de tecnologias. Assim mostrou à plateia as soluções sobre as quais ergueu sua arquitetura: pré-fabricação, o uso da argamassa, iluminação e ventilação naturais, isso muito antes que a palavra 'sustentabilidade' se incorporasse ao vocabulário arquitetônico. Com Oscar Niemeyer e Lúcio Costa, Lelé trabalhou no projeto de Brasília; não recebeu, como eles, a atenção do grande público, nem foi alçado ao posto de estrela em sua área. Jacques Herzog, que talvez se encaixe melhor no perfil de uma estrela internacional da arquitetura, dirigiu-se com reverência ao mestre brasileiro. O mesmo aconteceu com os presentes, inclusive estudantes que cercaram Lelé ao fim da palestra. Com todos houve uma conversa, um autógrafo, um desenho."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.