Juíza de NY arquiva ação contra Gisele Bundchen, Brady por tiros

Uma juíza de Nova York arquivou uma ação judicial contra a modelo Gisele Bundchen e seu marido, o astro do futebol americano Tom Brady, movida por uma agência de notícias que acusou os guarda-costas do casal de disparar contra fotógrafos.

REUTERS

26 de maio de 2010 | 16h40

A juíza da Suprema Corte de Nova York Judith Gische disse que a corte não tem jurisdição sobre a ação movida pela Agence France Presse e dois fotógrafos que ela contratou para fotografar o casal, porque não há nada na ação que a vincule a Nova York.

Aberta em novembro de 2009, a ação pedia indenização de pelo menos 1 milhão de dólares de Bundchen e Brady, este zagueiro do time New England Patriots.

"Esta queixa precisa ser arquivada porque a corte não tem jurisdição pessoal sobre nenhum dos réus", disse Gische em decisão divulgada na terça-feira. "Costa Rica seria um foro muito mais conveniente que Nova York para a disputa entre as partes."

Depois de fotógrafos terem feito fotos da festa pós-casamento do casal, realizada na casa de veraneio de Gisele Bundchen na Costa Rica, guarda-costas procuraram os fotógrafos e exigiram que estes entregassem suas câmeras e os cartões de memória contendo as fotos.

Quando os fotógrafos se recusaram, o incidente escalou, e um guarda-costa disparou um tiro contra o veículo dos fotógrafos, segundo a ação. Uma bala teria passado perto dos fotógrafos Yuri Cortez e Rolando Aviles, ambos cidadãos de Costa Rica.

(Reportagem de Basil Katz)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEBUNDCHENBRADYTIROS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.