Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

Juiz marca audiência de segurança de Gisele Bündchen

O homem teria atirado em fotógrafos que registraram imagens do casamento da modelo em 2009

EFE

03 Abril 2011 | 15h31

Um juiz da Costa Rica convocou uma audiência para 29 de abril para investigar o caso em que um segurança atirou contra dois fotógrafos durante o casamento da modelo Gisele Bündchen em abril de 2009.

O segurança teria atirado depois que os fotógrafos se negaram a entregar imagens tiradas do casamento da modelo com o jogador de futebol americano Tom Brady.

O fotógrafo da agência de notícias francesa AFP Yuri Cortez declarou neste sábado à Agência Efe que "o início desta etapa é de alguma maneira satisfatório" e manifestou seu desejo de que se faça justiça.

"Sinto-me um pouco contente que no fim, após dois anos, haja pelo menos demonstrações de que o caso resultará em algo, pois durante muito tempo estava decepcionado que o processo e o sistema judiciário sejam tão lentos", disse Cortez, que é diretor de fotografia da AFP para a América Central.

Os fatos ocorreram em abril de 2009 na praia Santa Teresa, província de Puntarenas (no Pacífico costarriquenho), quando Cortez e outro fotógrafo da agência foram interceptados por seguranças de Gisele e Brady, que pediram aos dois que entregassem as fotografias que tinham tirado do casamento a partir de uma propriedade próxima à mansão da top model.

Os fotógrafos, que não entregaram o material, entraram em um veículo e um dos seguranças disparou contra o carro.

A bala quebrou o vidro traseiro do veículo e quase feriu Cortez, segundo o relato do fotógrafo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.