Juiz do caso Da Vinci incluiu código em seu veredicto

O juiz Peter Smith, que deliberou sobre acusações de plágio contra o autor do livro O Código Da Vinci em um tribunal britânico, incluiu seu próprio código secreto junto com o veredicto nos documentos do processo. Letras em itálico, que aparentam ter sido incluídas aleatoriamente, estão distribuídas no texto de 71 páginas contendo o veredicto do caso.Peter Smith é conhecido por seu bom humor, coisa rara no universo sisudo dos tribunais britânicos, onde promotores e juízes ainda usam perucas. Ele não dá entrevistas, mas disse que confirmará o código se alguém conseguir quebrá-lo. E acrescentou que decifrá-lo não seria uma coisa muito difícil de fazer. "Não posso discutir o veredicto, mas não vejo por que ele não possa ser divertido". Letras em itálico nas primeiras páginas formam as palavras "Smithy Code". Nas páginas seguintes, foram incluídas as letras Jaeiextostpsacgreamqwfkadpmqz. Em março, Peter Smith julgou o processo movido pelos escritores Michael Balgent e Richard Leigh contra Dan Brown. Balgent e Leigh acusaram Brown de ter plagiado seu livro O Sagrado Graal e o Cálice Sagrado, usando suas idéias para escrever o best-seller O Código Da Vinci.O juiz decidiu que Brown não copiou de forma substancial o trabalho dos dois escritores. O Código Da Vinci, que vendeu mais de 40 milhões de cópias mundialmente, traz uma série de códigos que os heróis têm de desvendar para resolver o mistério. Os códigos revelam mistérios sobre a vida de Jesus Cristo. Uma versão do livro para o cinema, estrelada por Tom Hanks no papel do historiador Robert Langdon, chega às telas em maio, depois de ser exibida no Festival de Cannes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.