Juiz autoriza leilão de Picasso avaliado em US$ 60 milhões

O quadro Ángel Fernández de Soto, de Pablo Picasso, avaliado em US$ 60 milhões, poderá ser leiloado amanhã depois que um juiz rejeitou o pedido dos herdeiros do antigo dono que reivindicam a propriedade da obra. O juiz Jed S. Rakoff impediu a venda do quadro, após aceitar o processo na segunda-feira. Na terça, o magistrado rejeitou o pedido e deu sinal verde ao leilão da obra, que será realizado em uma sessão de arte impressionista e moderna na quarta-feira na Christie´s. A reivindicação foi feita há quatro dias por Julius H. Shoeps, herdeiro do antigo dono do quadro, Paul Mendelssohn-Bartholdy. Ele alega que esse banqueiro, judeu e alemão, teve que vender o quadro nos anos 30 devido à perseguição nazista. No processo, Shoeps alegava que a intimidação da polícia nazista tinha obrigado Paul Mendelssohn-Bartholdy - da mesma família que o compositor Felix Mendelssonhn -, a abandonar Berlim e a vender todas suas obras de arte para sobreviver. Argumentava também que o rico banqueiro e colecionador de arte deixou - durante sua fuga em 1934, em condição de consignação - cinco Picassos, entre eles o quadro Ángel Fernández de Soto, ao marchand de arte berlinense Justin Tannhauser. O processo indica que dois anos depois - quando o dono dos quadros já estava morto - Tannhauser vendeu, em 1936, o Ángel Fernández de Soto para o magnata nova-iorquino M. Koedler. Andrew Lloyd Weber é o atual proprietário do quadro A reivindicação de Shoeps foi qualificada de "completamente ilegítima, sem fundamentos legais" pelo atual proprietário, o músico Andrew Lloyd Weber, que pretende destinar o valor da venda à iniciativas humanitárias da fundação que tem o seu nome. Os representantes de Weber dizem que o músico - autor de musicais populares como Jesus Cristo Superstar, Evita e O Fantasma da Ópera - adquiriu legalmente o quadro por US$ 29,1 milhões em um leilão da Sotheby´s em 1995. O proprietário expôs o quadro desde então em diversas ocasiões sem que nunca ninguém duvidasse da legitimidade de sua propriedade. Pintado em 1903, Ángel Fernández de Soto é o retrato de um amigo barcelonês de Picasso e uma das obras-primas do chamado "período azul" do pintor. A Christie´s avaliou seu preço de venda em cerca de US$ 60 milhões e o considera o ponto forte de seu leilão. Após o anúncio do veredicto judicial, a casa de leilão expressou sua satisfação e censurou em comunicado "as ações realizadas no último minuto pelos que tentam impedir obras de caridade". Mas não revelou o destino do quadro e se será leiloado, tal como estava previsto antes do processo. "Mantemos contato com o dono (do quadro) para decidir as ações a realizar" afirma o comunicado, no qual a Christie´s não especifica se a obra fará parte do leilão. O certo é que a disputa pela propriedade do quadro não terminou com a sentença do juiz Rakoff porque assim que souberam do veredicto, os advogados de Shoeps já anunciavam que vão recorrer da decisão. Por isso, quem adquirir o quadro - caso finalmente seja leiloado - não escapará de um imbróglio legal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.