Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Jovens ignoram crise e se unem para criar a Faro

São três sócios experientes, mesmo com a pouca idade, que já têm recursos para produzir 50 obras

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2013 | 11h03

Este não é exatamente o melhor momento para as editoras. A última edição da pesquisa Produção e Venda do Mercado Editorial, feita pela Fipe para a Câmara Brasileira do Livro e o Sindicato Nacional de Editores, mostrou queda de 2,64% no faturamento em 2012. A atual conjuntura, porém, não assusta Pedro Almeida, 43, Diego Drumond, 33, e Karine Pansa, 36, profissionais que, apesar da idade, têm longa experiência no mercado editorial. Eles se uniram para tirar a Faro do papel.

Faro, representada pelo logotipo de um fauno tocando uma corneta, é a editora com que Almeida, ex-Ediouro e Leya, etc., sonhava. Em seu último trabalho, na Lafonte, do Grupo Escala, encontrou Drumond, diretor da empresa e seu chefe. “Diego já operava com o modelo de negócio que eu queria para a Faro. Mostrei meu projeto editorial e ele criou um plano de negócio baseado no meu”, conta o idealizador.

 

Diego adianta: “Comecei a transformar o plano, estabelecendo como seria iniciar com nossos recursos, em home offices, com os livros guardados na garagem e prestando serviços para nos capitalizar até os negócios embalarem. Mas a Karine viu na empresa que Pedro iria montar uma editora”. E entrou na roda.

É preciso dizer que os sócios de Almeida trazem na bagagem, além da experiência profissional – Diego como funcionário e Karine como dona da Girassol –, a atuação em entidades de livro. Ele preside a Associação Brasileira de Difusores de Livro. Ela, a Câmara Brasileira do Livro. “Isso nos mantém informados sobre o que acontece no mercado e certamente ajudou a formar a visão estratégica do negócio”, comenta Drumond.

Karine Pansa conta que a empresa já tem recursos para produzir 50 livros. “Nos próximos três anos toda a receita será reinvestida na empresa.”

A Faro será uma editora comercial, sedenta por best-sellers como tantas outras, mas vai também investir em projetos diferentes, como as edições artesanais e luxuosas do selo Edição Limitada. A estreia, depois da Bienal, será com História Concisa da Literatura Alemã, de Otto Maria Carpeaux, por este selo. Depois virão obras de padre Juarez de Castro, Marcos Silvestre, sobre finanças pessoais, Maurício Beltramelli, especialista em cervejas especiais, Renato Dutra, consultor esportivo, e Cris Guerra, consultora de moda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.