Divulgação
Divulgação

Jovens do Vidigal fazem desfile em São Paulo

Estilistas de escola de moda da comunidade carioca apresentam coleção na Casa de Criadores, que começa nesta terça, 12

Giovana Romani - Especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

12 de abril de 2016 | 04h00

Na próxima quinta, 14, 20 jovens deixarão o morro do Vidigal, no Rio de Janeiro, para estrear nas passarelas de São Paulo. Recém-formados pela Casa Geração Vidigal, escola de moda localizada na comunidade carioca, eles realizarão um desfile na Casa dos Criadores, evento dedicado a revelações da moda nacional que ocorre entre hoje e sexta, 15. “Fiquei encantado com o projeto desse laboratório de criação no meio da favela”, diz André Hidalgo, organizador da semana. “Os meninos são talentosos e fazem uma roupa com design e cuidado.” 

Para se lançarem na empreitada paulistana, os jovens colocaram no ar um crowdfunding e arrecadaram R$ 11 mil em doações, valor suficiente para bancar o transporte, a hospedagem em um hostel e a alimentação da turma. Mostrarão sete coleções temáticas em um único desfile, com styling assinado por Dudu Bertholini. Os 35 looks levados à passarela foram confeccionados com tecidos doados por grandes empresas e nomes do setor têxtil, como o da estilista Lenny Niemeyer, especialista em moda praia. Ela forneceu o elastano para a produção das peças da linha de beachwear, inspirada na obra da artista plástica Lygia Clark e pensada por três dos alunos, Alice Calzolari, Allan Machado e Mariane Ferreira. 

Alice, de 24 anos, mudou-se para o Vidigal só para participar do projeto. Natural de Itaperuna, no interior fluminense, ela aluga desde o fim de 2014 um pequeno apartamento por R$ 550 mensais. “Sabia que o curso era gratuito para moradores de comunidade”, conta ela, que estudava estatística na UFRJ e deixou o curso para dedicar-se à moda. Começou customizando shorts jeans, que vendia por R$ 50 para colegas de faculdade. Hoje, trabalha como assistente de estilo no escritório de uma grande marca do Rio.

Para Alice e seus colegas, o desfile em São Paulo será a coroação de um ano de trabalho. Selecionados entre 400 inscritos, os 20 alunos ingressaram na casa Geração em fevereiro de 2015. Ao longo dos últimos meses, aprenderam a desenvolver uma coleção, a criar modelagens e a costurar em três tipos de máquina (reta, overloque e galoneira). A maior parte dos estudantes vem de comunidades, a exemplo do Complexo da Maré, do Morro do Alemão e da favela da Rocinha. 

“Não há assistencialismo, focamos no talento”, afirma a empresária Andréa Fasanello, que fundou a Casa Geração há três anos em parceria com a jornalista francesa Nadine Gonzalez. “No processo seletivo, os interessados mandam croquis, participam de entrevistas e precisam demonstrar conhecimento sobre o assunto. Só depois vemos onde moram.”

Tudo o que é produzido na escola é colocado à venda – inclusive as peças do desfile –, com uma parte do valor destinada aos alunos e outra à manutenção do projeto. Por enquanto, o financiamento vem de doações privadas e de fundações, como a do Banco Société Génerale e a do grupo Accor. “Temos como objetivo nos tornar autossuficientes e exportar a moda do Rio para o mundo”, afirma Andrea. Já estão dando passos para isso. No início de março, uma das recém-formadas, a estilista Camila Vaz, apresentou sua linha de roupas esportivas em um evento durante a Semana de Moda de Paris, e recebeu elogios de Yassine Saidi, diretor criativo da marca Puma. 

Edição compacta. No total, a Casa de Criadores terá 18 desfiles. Todos os estilistas, inclusive os do Vidigal, precisam arcar com os custos de suas coleções. A organização do evento, por sua vez, oferece a estrutura necessária para a realização do desfile, de modelos a maquiadores, passando por profissionais de iluminação e som. Assim como a São Paulo Fashion Week, que este ano terá investimento 20% menor, a semana de moda destinada a jovens estilistas será mais enxuta. 

Em sua 38.ª edição, a Casa de Criadores terá o público reduzido de 1.200 para 400 pessoas e um formato compacto. “Não se trata apenas de uma questão de dinheiro, mas o momento não é de grandes acontecimentos”, afirma o organizador André Hidalgo. “É mais adequado fazer algo mais cool.” Patrocinado pelo Grupo Lunelli, o evento deve custar entre R$ 700 mil e R$ 1 milhão e terá transmissão online. Algumas peças apresentadas por seis estilistas serão colocadas à venda no e-commerce Passarela, logo após os desfiles. No Brasil e no mundo, há uma corrente que defende a ida direta das roupas das passarelas para as lojas (e não apenas depois de seis meses, como ocorre atualmente). 

Tudo o que sabemos sobre:
CulturaModaRio de JaneiroVidigal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.