Jornalista reconta saga da mineração em livro

A história do Brasil está sendo recontada com muito êxito por jornalistas, como provam os livros - todos best-sellers - do gaúcho Eduardo Bueno, do paranaense Laurentino Gomes e do recém-chegado na área Lucas Figueiredo, mineiro que lança hoje, com debate, no Sesc Vila Mariana, seu livro "Boa Ventura! - A Corrida do Ouro no Brasil" (1697-1810). Convidado da série Sempre um Papo, o autor conta no livro como Portugal resolveu seus problemas de insolvência financeira buscando no Brasil o ouro que iria salvar da penúria uma corte endividada e invejosa da sorte espanhola. Enquanto Portugal só conseguia levar pau-brasil nos primórdios da ocupação americana, os espanhóis já extraíam do continente mais de 600 quilos de ouro, chegando a quase uma tonelada em meados do século 16.

AE, Agência Estado

06 Abril 2011 | 10h02

Figueiredo resolveu contar essa história tomando como ponto de partida uma enorme pepita, do tamanho de um melão, pesando pouco mais de 20 quilos, provavelmente a maior extraída no Brasil no período da corrida do ouro (1697-1810). O rush dourado fez a riqueza e, ao mesmo tempo, a desgraça de muitos que se aventuraram pelas matas em busca do metal, enfrentando índios canibais, febre, fome e, principalmente, a ganância da Coroa, que puniu o sonho de riqueza instantânea com impostos altos e até o confisco. Cansada de ser enganada pelos mineradores, a Coroa apertou o cerco e, em 1763, aplicou um instrumento de cobrança: quem não cumprisse a cota exigida, pagava com violência e prisão.

Voltando à história da pepita, ela foi levada para Portugal, trazida de volta e mais uma vez trancada nos cofres reais portugueses. O torrão só seria exposto pela primeira vez em 1991, desmentindo os boatos de que teria sido roubado pelas tropas napoleônicas após a invasão da capital portuguesa. Mais de 20 mil visitantes o viram antes que ele voltasse ao lugar de origem. Até meados do ano passado outras joias da Coroa - peças de ourivesaria fabricadas na França com ouro brasileiro - permaneciam distantes do olhar público, segundo o autor.

Nascido como uma pauta especial do jornal O Estado de Minas, que queria saber onde estava o ouro extraído no Brasil, o livro "Boa Ventura!" mostra como monarcas perdulários e sonegadores de impostos ajudaram involuntariamente a transformar uma colônia raquítica de 300 mil habitantes numa Eldorado de aventureiros seduzidos pelo ouro. Figueiredo, pesquisando em fontes primárias, desvendou ainda o mito do Sabarabuçu, lendária montanha de ouro - ou um lago dourado, de acordo com alguns cronistas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Boa Ventura! - Editora: Record (368 págs., R$ 39,90). Sempre um Papo. Sesc Vila Mariana (Rua Pelotas 141). Tel. (011) 5080-3000. Hoje, às 20 h. Entrada gratuita.

Mais conteúdo sobre:
livrolançamentoBoa Ventura!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.