Marcos De Paula/AE
Marcos De Paula/AE

Jornalista Armando Nogueira é sepultado no Rio

Parentes, amigos e colegas se despediram do criador do 'Jornal Nacional', cantando o hino do Botafogo

Bruno Boghossian - O Estado de S. Paulo,

30 de março de 2010 | 13h57

O corpo do jornalista Armando Nogueira, ex-diretor da Central Globo de Jornalismo e comentarista esportivo, foi enterrado nesta terça-feira, às 12h35 (de Brasília), no cemitério São João Batista, na Zona Sul do Rio. Ele morreu ontem aos 83 anos.

 

Parentes, amigos e colegas de trabalho se despediram do criador do Jornal Nacional, da TV Globo, cantando o hino do Botafogo, seu clube do coração. Não houve discursos durante o sepultamento, mas muitos aplausos.

 

Veja também:

blog Blog do  Zanin: Armando Nogueira, um expoente da crônica esportiva literária

linkUma profunda relação com o esporte

linkLeia a repercussão de sua morte

linkLeia a primeira coluna de Armando Nogueira no 'Estado', sobre a Copa de 90

linkLeia no Estado: sobre suas duas paixões: futebol e tênis

linkLeia no Estado: 'O olé e a vaca', em 2002

 

O corpo foi velado no Estádio do Maracanã e levado nesta terça, 30, de manhã, em cortejo fúnebre pelas ruas do Rio. Cinco monomotores sobrevoaram o cemitério em homenagem a Nogueira, que era apaixonado pelo voo. Seu corpo foi coberto com as bandeiras do Botafogo, clube para o qual torcia, e do Acre, estado onde nasceu no dia 14 de janeiro de 1927.

 

Acompanharam o sepultamento os jornalistas Fátima Bernardes, William Bonner, Glória Maria, Ziraldo, Zuenir Ventura, Sérgio Cabral e o técnico do Botafogo, Joel Santana.

 

Formado em Direito, Armando Nogueira começou a trabalhar como jornalista nos anos 50, no "Diário Carioca", que não existe mais. Em sua carreira, passou pelas revistas "Manchete" e "O Cruzeiro", e assinou uma coluna por 12 anos no "Jornal do Brasil". Mais tarde, nos anos 90, tornou-se colunista do Estado, que teve o mesmo nome, "Na Grande Área".

 

Na televisão, foi diretor da Divisão de Esportes e depois diretor de jornalismo da Globo, e em 1992 fez parte da equipe da Bandeirantes nos Jogos Olímpicos de Barcelona.

 

Antes de se afastar do trabalho por causa da doença, fazia parte da equipe do canal pago "SporTV" e escrevia uma coluna no diário "Lance!".

 

Armando Nogueira deixou ainda dez livros publicados, todos voltados para o esporte, sua grande paixão. (Com EFE)

Tudo o que sabemos sobre:
Armando Nogueira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.