Jô Soares volta à TV e tem projeto para teatro

Quem assistiu na segunda-feira a volta do Programa do Jô mal deve ter notado as diferenças na estréia da temporada 2003 do programa, que rendeu à Rede Globo 9 pontos no Ibope, contra 2 do SBT. Segue a mesma vista panorâmica de São Paulo, a caneca, o logotipo e o espaço para o sexteto. "Há algumas mudanças na mobília, no chão. Colocamos também uma plataforma abaixo do telão", disse o apresentador Jô Soares em entrevista coletiva realizada anteontem. "Gosto mesmo é de lançar talentos. Ana Carolina, por exemplo, começou no meu programa. Aquele menino gordinho que andava de skate (vira-se para a produtora Anne Porlan e pergunta), qual o nome dele mesmo? Ah, sim, os meninos do Charlie Brown Jr. também", completa Jô, que vai seguir procurando pautas no dia a dia. "É uma verdadeira deturpação profissional. Recebemos pautas na igreja durante a comunhão e até mesmo em enterros. Dia desses, quando fui a um restaurante, convidei um menino de rua que cantava rap para participar do programa. Eu e minha equipe estamos sempre antenados. E as pautas que surgem da forma mais espontânea normalmente são as que mais dão certo", conta o apresentador. A mesma sutileza segue também nos planos de Jô. Seu contrato com a Globo termina no final deste ano. No entanto, poucas são as dúvidas de que ele continua na emissora, e com o mesmo talk-show. "Nos Estados Unidos, esse tipo de programa tem um formato bem duradouro. Tenho 65 anos, se continuar fazendo talk-show por mais uns 20, para mim, está ótimo", diz Jô. Na mesma entrevista, o apresentador disse que não pretende voltar a ter um programa humorístico, no estilo Viva o Gordo, que fez sucesso na Globo durante os anos 80. "Cada coisa tem seu tempo. E, para mim, esse tipo de atração já passou. Vou continuar fazendo humor em alguns quadros, que serão apresentados esporadicamente durante o programa", responde Jô. Se uma hora de humor na televisão está descartado, no teatro, o gênero ainda terá espaço. Jô prepara um espetáculo para rodar o País a partir de junho. A peça, que tem estréia prevista para São Paulo, será feita de esquetes, nos moldes dos espetáculos que Jô promovia nos anos 80. "Por enquanto, é um dos meus principais projetos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.