Jesse James, o pistoleiro era bom moço

Os Feiticeiros de Waverly Place 15H55 NA GLOBO

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2012 | 03h10

(Wizards Of Waverly Place: The Movie). EUA, 2009. Direção de Lev L Spiro, com Selena Gomez, David Henrie, Jake T Austin, Jennifer Stone, Maria Canals-Barrera, David Deluise

Série produzida em animação e live action e que foi exibida pelo canal Disney. Ganhou dois Emmys, o Oscar da TV dos EUA. Selena Gomez é a protagonista, no papel de Alex Russo, que tenta viver uma existência normal com os dois irmãos, escondendo o fato de que todos são feiticeiros em fase de treinamento. Reprise, colorido, 100 min.

S21 - A Máquina de Morte do Khmer Vermelho

23H30 NA CULTURA

(S21 - La Machine de Mort Khmère Rouge). Camboja/França/Kampuchea, 2003. Direção de Rithy Panh.

O centro de detenção S21, localizado na região central de Phnom Penh, virou a representação da face mais cruel da ditadura do Khmer Rouge, que assolou o Camboja. Cerca de 20 mil pessoas foram presas e torturadas ali dentro. Apenas sete sobreviveram e três ainda estão vivas para contar a história, o que fazem perante a câmera de Rithy Panh, o mais famoso cineasta do país. Um filme tão elogiado quanto terrível. Tem tudo a ver com a capa de ontem do Caderno 2, Ecos da Ditadura, sobre espetáculos de teatro que usam experiências pessoais para observar o passado autoritário de países da América Latina. Reprise, colorido, preto e branco, 101 min.

Tribuna do Gueto

0H30, NA TV BRASIL

Brasil, 2009. Direção de Antonio Carlos Pinheiro.

A ideia desse documentário é atuar como tribuna popular, permitindo que a própria periferia fale dela, sem o risco de análises sensacionalistas nem preconceituosas. Reprise, colorido, 52 min.

TV PAGA

Máscara da Traição

13 H NO CANAL BRASIL

Brasil, 1969. Direção de Roberto Pires, com Glória Menezes, Tarcísio Meira, Cláudio Marzo, Flávio Migliaccio, Milton Gonçalves.

Glória Menezes e Tarcísio Meira reproduzem na tela a vida real e fazem casal perfeito, mas ela se envolve com funcionário do estádio em que ele é tesoureiro. Ocorre um assalto durante jogo importante. O marido é suspeito, mas o final reserva uma surpresa. Roberto Pires, pioneiro do cinema baiano - com os filmes A Grande Feira e Tocaia no Asfalto -, fez este filme como tentativa de consolidação de um projeto industrial. Não deu muito certo, mas 40 e tantos anos depois pode ser que o relato ainda reserve atrativos. Vale conferir. Reprise, colorido, 107 min.

Jesse James

14 H NO TCM

(Jesse James). EUA, 1939. Direção de Henry King, com Tyrone Power, Henry Fonda, Nancy Kelly, Randolph Scott, Brian Donlevy, John Carradine.

Henry King tinha tanto prestígio em Hollywood que era chamado de diretor dos diretores. Sua carreira atravessou décadas e ele fez filmes de todos os gêneros, como este western contando a história dos famosos irmãos Jesse e Frank James. A tese do filme, polêmica já na época, é que Jesse foi um bom rapaz que as circunstâncias transformaram em bandoleiro. Houve uma sequência, O Retorno de Frank James, mas lá o diretor foi Fritz Lang. King prosseguiu no western com o psicológico O Matador e com Estigma da Crueldade, considerado excessivamente violento, no fim dos anos 1950. Reprise, colorido, 105 min.

A Teta Assustada

14H55 NO TELECINE CULT

(La Teta Austada). Peru/Espanha, 2009. Direção de Claudia Llosa, com Magaly Soler, Susi Sanchez, Efrain Solís, Marino Ballón.

Não deixa de ser oportuno que a rede Telecine e seu canal de cults reprisem o longa da peruana Claudia Llosa que venceu o Urso de Ouro em Berlim. Justamente hoje o Festival Latino-Americano - leia na página D3 - apresenta o curta da diretora que recebeu o Teddy Bear, o Urso gay da Berlinale, em fevereiro, Loxoro. O longa é sobre mulher que introduz uma batata na vagina, com medo de ser estuprada. Por meio dessa situação insólita, a diretora discute a condição feminina e fala de um país, o Peru, em processo de rompimento. Um país reprimido só pode se expressar através do inconsciente - mitos, medos, traumas. Reprise, colorido, 95 min.

Curtindo a Vida Adoidado

0 H NO TELECINE CULT

(Ferris Bueller's Day Off). EUA, 1986. Direção de John Hughes, com Mathew Broderick, Alan Ruck, Mia Sara, Jeffrey Jones, Jennifer Grey, Charlie Sheen.

Leonard Maltin observa em seu guia, não sem razão, que o filme de John Hughes pode ter seus defeitos, mas virou um marco da cultura pop dos anos 1980. Em todo o mundo, e não apenas na 'América', o público teen se identificou com a saga do garoto que cabula aula e resolve tirar o dia de folga, mas o implacável inspetor de disciplina da escola o persegue, na tentativa de 'aprisioná-lo'. Tudo contribui para a aura do filme como retrato da juventude - o diálogo vivo, o ambiente da escola, a fascinação da rua, a busca da liberdade. Hughes entrou para a história como o produtor, diretor e roteirista que melhor expressou os jovens de seu tempo - pelo menos os próprios jovens assim o decretaram. Os críticos foram mais reticentes, mas o encanto é genuíno. Repare, entre os coadjuvantes da escola, o garoto Charlie Sheen. Reprise, colorido, 103 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.