Jefferson Kulig faz desfile-manifesto na SPFW

O segundo "desfile-manifesto" desta temporada ocorreu no início do penúltimo dia do SPFW, hoje, por volta das 15 horas. O primeiro foi de Jum Nakao, no segundo dia do evento. Estilista muito criticado na edição passada, especialmente pelo uso de materiais e formas tecnológicas, propondo uma relação estreita entre arte e ciência, Jefferson Kulig apresentou desta vez sua série de camisetas e vestidos pretos, que expunham parte de seus conceitos e idéias, nos quais "a moda precisa de conteúdo, referências, ciência, leituras e pesquisas". Momento raro de suave beleza sonora, com a 9.ª Sinfonia de Bethooven, o desfile de Kulig veio repleto de referências abstratas da literatura e das artes, como o escritor Jorge Luis Borges e o contemporâneo artista plástico Bill Viola. "Eu acredito nos pensamentos deles, na força que cada um teve em sua época, ambos capazes de transgredir as artes. Mas acho que toda essa massa cultural também não deve soar como uma muleta: minha criação precisa ter voz própria", conta ele. Além disso, a escolha de todas essas referências, como nortes inspiradores para a sua coleção relativamente simples, também acentua uma outra provocação. Ele explica: "Bethooven, em sua época, foi um incompreendido. Hoje, ele é gênio". Ou seja, Kulig tem um certa expectativa de que sua moda (ou estilo) extrapole a esfera conceitual, sendo também admirada por sua forma, algo que ele prima bastante. "Ao escolher o preto para os vestidos, que tem um trabalho rico de texturas e cortes, quis valorizar a forma, o meu princípio estético, muito mais do que cores etc.", conta. Um gênio incompreendido? Só o tempo dirá. Foi interessante observar que ele não recusou totalmente o apelo comercial da situação de quem expõe a coisa fashion. Os acabamentos de bermudas e shorts têm algo da estação, a volta do balonêe. E seus vestidos, "feitos por causa dessa necessidade de consumo", também trazem uma das tendências de texturas: a musseline acetinada, às vezes num mix com malha.Veja Galeria

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.