Javier Marías é eleito membro da Academia Espanhola

O escritor Javier Marías, considerado um dos grandes romancistas espanhóis contemporâneos, foi eleito, na última quinta-feira, membro da Real Academia da Língua Espanhola, quase por unanimidade, na primeira votação.Marías, que nasceu em Madri, em 1951, vai ocupar a vaga de Fernando Lázaro Carreter na academia, e sua candidatura foi proposta por Arturo Pérez-Reverte, Gregorio Salvador e Claudio Guillén. Quando soube da notícia, Marías disse, em coletiva de imprensa, que estava honrado por ter sido eleito membro de uma instituição "ilustre, civilizada, laica, culta e independente como é a Academia da Língua, com três séculos de existência". O escritor lembrou que, há 12 anos, quando recebeu um convite para fazer parte da academia, "não pareceu correto estando lá (na instituição) meu pai", o filósofo Julián Marías. "Meu pai, antes de morrer, me disse que um dia voltariam a me propor e, caso não aceitasse, iria me arrepender. Mesmo que nunca tenha escutado tanto meus pais, levei muito em consideração essa recomendação", acrescentou ele. Ser eleito na primeira votação para a Real Academia Espanhola é muito difícil porque é necessário o apoio de dois terços do total de 42 acadêmicos. Na votação que elegeu Marías compareceram 31 acadêmicos e seis votaram pelo correio. O secretário da Academia, Guillermo Rojo, visivelmente satisfeito, afirmou que "é raríssimo" conseguir um consenso como aconteceu com o romancista, e destacou a importância da obra de Marías, traduzida para 34 idiomas. O diretor da Real Academia Espanhola, Victor García de la Concha, compartilhava essa satisfação e, em declarações a um grupo de jornalistas, enfatizou que "está claro que Marías é um dos grandes romancistas espanhóis contemporâneos, como demonstra a repercussão internacional de sua obra". Gregorio Salvador, por sua vez, disse à EFE que a chegada de Marpias à academia é um "reconhecimento não somente espanhol, mas muito além disso", uma vez que o escritor tem presença relevante em países como Reino Unido, França e Alemanha e em todo o continente sul-americano. Marías é autor de uma ampla obra de romances, com destaque para os livros Coração Tão Branco, Amanhã, na Batalha, Pensa em Mim e Seu Rosto Amanhã, O Homem Sentimental, Seu Rosto Amanhã publicados no Brasil pelas editoras Companhia das letras e Martins Fontes.O escritor integra a academia em um momento em que está redigindo a terceira parte de Seu Rosto Amanhã, um de seus projetos literários de maior envergadura nos últimos anos. O primeiro livro da série desse romance, Fiebre y Lanza, foi lançado em 2002 e, o segundo, Baile y Sueño, em 2004.Filho do filósofo e acadêmico Julián Marías, falecido em dezembro do ano passado, o romancista já ganhou muitos prêmios, como o Prêmio Herrable. É o púnico escritor espanhol que recebeu o Prêmio Rómulo Gallego, por Mañana en la Batalla Piensa en mí. Marías ganhou também o Prêmio Fémina, ortogado na França ao melhor romance em língua estrangeira, e o Prêmio Internacional Mondello Cittá di Palermo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.