'Jardim de Versos' destaca temas de interesse infantil

Tudo que ronda o universo da criança está lá. Os brinquedos à beira-mar, o balanço pendendo na árvore, o vento que leva a pipa ao céu, a chuva que molha o campo, a cidade e o guarda-chuva, as histórias de pirata e de soldado, os barquinhos de papel que descem o rio, as sombras que às vezes nos divertem e outras nos assustam, o amigo invisível, os sonhos difíceis de lembrar no dia seguinte, os livros, o Sol e a Lua, as estações do ano, a inesquecível viagem de trem.

AE, Agência Estado

19 de dezembro de 2012 | 10h41

Quando criança, o escritor escocês Robert Louis Stevenson, nascido em Edimburgo em 1850, recebeu um trágico diagnóstico para a época: tuberculose. Para acompanhá-lo, sua família contratou uma babá, Alison Cunningham. Era ela quem lia histórias e versos para o menino, que, por causa da doença, foi alfabetizado após os 8 anos. A importância de Alison para Stevenson e a gratidão dele tornaram-se explícitas quando publicou "Jardim de Versos de Uma Criança" (1885) e lhe dedicou a obra. Responsáveis em grande parte pela introdução da poesia entre as crianças inglesas e americanas, os poemas chegaram recentemente ao Brasil com o nome de "Jardim de Versos" (FTD, 72 págs., R$ 35,30).

Dos 72 textos da edição original, Ligia Cademartori, responsável pela seleção e tradução da obra, escolheu 30. "Suprimimos alguns versos que envelheceram, pois foram escritos em um mundo diferente. Também retiramos aqueles com fragmentos religiosos", conta Ligia, que já havia feito a versão em português de outro clássico de Stevenson, "O Médico e o Monstro". "Em alguns poemas me permiti transcriar o texto, mas na maior parte procurei manter o original."

Para Ligia, um dos maiores feitos do escritor escocês é abordar temáticas que interessam de fato às crianças. "Considero a temática uma das maiores dificuldades do gênero. Muitos autores de poesia subestimam o leitor e escrevem versinhos muito simples, que não provocam, ou abordam temas que, por uma questão de idade, não interessam às crianças. Stevenson é diferente, aborda os assuntos na medida da curiosidade dos leitores dessa faixa etária."

"Jardim de Versos" integra a coleção Grandes Clássicos para Jovens Leitores, que possui um projeto gráfico que lembra os livros mais antigos: capitulares abrem os capítulos, os borders são em sépia e há uma imagem geral do texto na página de guarda, explica a ilustradora Marilia Pirillo. "Assim, eu me permiti criar e inovar em alguns pontos, como a caracterização dos personagens, mas optei por utilizar aquarela e lápis de cor na finalização, para dar um ar bem tradicional às ilustrações." Marilia, autora de desenhos para livros em verso e prosa, conta que ilustrar poemas é um trabalho de muita liberdade. "Enquanto os textos didáticos e informativos procuram ser objetivos e claros, a literatura é subjetiva e se dispõe a múltiplas leituras e interpretações. A poesia tem essa característica literária potencializada: ela pode ser pura sensação, pode só sugerir uma ideia ou pode ser um divertido jogo de palavras non sense", diz. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

JARDIM DE VERSOS

Autor: Robert L. Stevenson.

Seleção e tradução: Ligia Cademartori

Tudo o que sabemos sobre:
literaturainfantojuvenil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.