John Shearer/AP
John Shearer/AP

Jane Fonda pede igualdade salarial para as mulheres

Atriz foi à sede das Nações Unidas pedir a revogação das leis de discriminação de gênero

AP

13 Março 2015 | 11h18


A atriz Jane Fonda disse nessa quinta-feira, 12, que deseja que os Estados Unidos garanta que as mulheres obtenham o mesmo salário que os homens por realizarem o mesmo trabalho, assim como ocorre em 117 países do mundo.

Ativista e defensora dos direitos da mulher há muito tempo, Jane Fonda foi à sede das Nações Unidas para ajudar a lançar uma campanha do grupo defensor das mulheres, Equality Now (Igualdade Agora), pedindo para que os governos revoguem ou emendem todas as leis de discriminação de gênero.

A atriz frisou que, atualmente, 139 países garantem a igualdade de gênero, 125 declararam que a violência doméstica é um crime, 117 têm leis contra o assédio sexual e leis de igualdade salarial.

"Gostaria que meu país fizesse o mesmo", disse Jane fonda em relação aos Estados Unidos, enquanto o salão lotado explodiu em aplausos e gritos. "Algo em que temos que trabalhar."

Fonda disse que 115 países concedem às mulheres igualdade de direitos para a própria propriedade, e 22 das 28 nações africanas onde se praticam a circuncisão feminina agora possuem leis contra a mutilação genital. A observação lhe garantiu mais aplausos.

Com exemplos de como as coisas mudaram nos últimos cinco anos, Fonda disse que na Argentina e no Marrocos "os violadores já não podem fugir da pena casando-se ou chegando a um acordo com suas vítimas". No Quênia e Senegal, destacou, as mulheres agora podem passar sua cidadania a seus filhos sobre a mesma base que os homens. As mulheres iraquianas podem obter passaporte sem a necessidade da permissão de um homem, e as mulheres australianas podem conseguir um emprego que qualquer ramo das forças armadas, acrescentou.

"Cada lei discriminatória que é revogada dá nova esperança, novas oportunidades, a mulheres e crianças", frisou Jane Fonda.

Tradução: Gabriel Perline

Mais conteúdo sobre:
Jane Fonda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.