James Franco volta a fazer rir em 'Segurando as Pontas'

Ele já viveu nas telas o destino trágico do ator James Dean e um vilão em "Homem-Aranha 3". Mas o que James Franco sempre gostou foi de fazer rir, como em seu novo filme, "Segurando as Pontas" ("Pineapple Express"). Esse filme do gênero "ação/maconheiro" estreou na quarta-feira nos EUA, marcando a volta de Franco à comédia, depois de papéis mais sérios no drama de guerra "No Vale das Sombras" (2007) e o romance trágico "Tristão e Isolda" (2006). Bem antes desses papéis, Franco, de 30 anos, havia chamado a atenção do roteirista/diretor/produtor Judd Apatow na elogiada série "Freaks and Geeks". O próprio ator já dirigiu uma comédia de humor negro, um curta-metragem intitulado "O Macaco". "Eu não fazia comédia havia algum tempo, e achei que 'Segurando as Pontas' seria divertido e engraçado", disse Franco à Reuters. A crítica em geral concorda, embora o Washington Post tenha achado a fórmula de Apatow esgotada. No Chicago Sun-Times, o crítico Roger Ebert escreveu: "É um filme de qualidade, mesmo que o material não seja digno desse tratamento." Franco interpreta o preguiçoso traficante Saul Silver, que passa a maior parte do tempo hibernando num apartamento cheio de gadgets e maconha junto com seu amigo e cliente Dale Denton (Seth Roger), oficial de Justiça nas horas não-vagas. Pineapple Express, o nome original, é um tipo de maconha que Silver diz ser "a droga mais drogante que eu já fumei". Quando Denton larga um recém-adquirido pacote de erva no local de um homicídio, os dois passam a ser perseguidos por um policial corrupto e por um megatraficante. Originalmente, Franco deveria fazer o papel que afinal coube a Roger. Apatow se decidiu pela troca nos primeiros ensaios de mesa. Franco conta que ficou surpreso, mas gostou -- especialmente por causa do figurino. O ator, que tem cabelo curto e ondulado, usa no filme uma cabeleira longa e desgrenhada, e uma camiseta com um gatinho na boca de um tubarão. Franco disse que se inspirou assistindo vários "filmes chapados" e admitiu também ter feito um certo laboratório na vida real. "No colégio, eu naturalmente fumei uma quantidade razoável de maconha e me meti em confusão por causa disso. E também conheci vários chapados idiotas." Nesse gênero, Franco disse que seus personagens favoritos são os do filme "O Grande Lebowski" (1998), dos irmãos Coen. "É um filme de chapados que é mais do que um filme de chapados", definiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.