James Bond, em caixa com 9 DVDs

Ele foi um fenômeno típico dos anos1960, como a pílula e a minissaia, contribuindo para a liberaçãodos costumes que fez daquela a década que mudou tudo. Como aprimeira, James Bond sobreviveu e foi integrado à vida daspessoas (a pílula de uma forma bem mais cotidiana, claro). Comoa segunda, passou por não poucas mudanças, para se ajustar aoscataclismos que alteraram a geopolítica mundial nos últimos 40anos. São quatro décadas inteiras de James Bond, tomando-se porbase o ano de 1962, quando surgiu O Satânico Dr. No, deTerence Young. Um novo filme de James Bond está surgindo nastelas. Estréia em janeiro, quando o agente secreto mais famosodo cinema estará completando 41 anos: 007 - Um Novo Dia paraMorrer, de Lee Tamahori. É o 20º filme da série oficial. Houve dois, fora dela:Cassino Royale, uma comédia que teve vários diretores (atéJohn Houston) e Nunca Mais Outra Vez, de Irvin Kershner.Você pode esperar para ver Pierce Brosnan e a nova bondgirl,ninguém menos do que Halle Berry, a atriz que ganhou o Oscardeste ano por A Última Ceia, de Marc Foster. Duas atrizesvencedoras do prêmio da Academia de Hollywood não representampouca coisa num filme de James Bond - a outra é Judi Dench, queganhou seu Oscar de coadjuvante por Shakespeare Apaixonado,de John Madden. Mas Halle, é bom que se diga, não é uma bondgirlcomo as outras em Um Novo Dia para Morrer. Para começar, elatambém é uma agente - e, como o herói, tem licença para matar.Espere e veja. Mas você também pode correr às locadoras ecomprar a Coleção James Bond que a Fox Vídeo lança em DVD, emcaixa especial, com nove títulos. Eles podem ser compradosisoladamente, ou em uma caixa com noveminipôsteres dos filmes. Essa coleção põe no seu DVD quatro dos cinco atores quecriaram o personagem ao longo destes 40 anos. Falta justamenteGeorge Lazenby, que carrega a fama de ter sido o pior de todosos intérpretes do papel, o que talvez seja injusto. Não foi elequem mudou o herói em 007 a Serviço Secreto de SuaMajestade. Foi o diretor Peter Hunt quem concebeu um JamesBond mais humano e sinceramente apaixonado (pela estonteanteDiana Rigg) - ou seja, tudo aquilo que o público nunca quis nasérie. James Bond é uma celebração da fantasia masculina de sero melhor em tudo - bom de luta, de tiro, de cama e, ainda porcima, inteligente, com uma destreza de raciocínio que o tornaainda mais perigoso para seus inimigos. A essas qualidadespessoais, James Bond soma o arsenal tecnológico com que SuaMajestade o arma para policiar o mundo. Os quatro atoresretratados na coleção são Sean Connery, o primeiro e, para muitagente, até hoje, o melhor James Bond. Mas estão presentes tambémRoger Moore, Timothy Dalton e Pierce Brosnan. O pior, não só dosquatro, mas de todos, é Dalton, um chato que queria serpoliticamente correto e tentou impor um James Bond que nãofumava, não bebia nem fazia sexo irresponsável. Qual a graça deum herói assim? Nove filmes: 007 contra O Satânico Dr. No (noscinemas, era só O Satânico Dr. No), Moscou contra 007,007 contra Goldfinger e 007 contra a Chantagem Atômica,os quatro com Sean Connery e todos, menos o terceiro (de GuyHamilton), dirigidos por Terence Young; dois com Roger Moore,Com 007 Viva e Deixe Morrer, de Guy Hamilton, e 007 -Somente para Seus Olhos, de John Glen; um com Timothy Dalton,007 - Permissão para Matar, também de John Glen; e os doisrestantes com Pierce Brosnan, 007 contra Goldeneye, deMartin Campbell, e 007 - O Mundo não É o Bastante, deMichael Apted. Todos são repletos de extras, que ainda por cimasão legendados. Pegue, por exemplo, Dr. No: tem comentáriosem áudio do diretor, dois documentários, trailer, galeria defotos, spots de rádio e comerciais de TV. Ou o mais recente OMundo Não é o Bastante: comentários do diretor e do elenco,making of, clipe e trailer de cinema. Desfilam as bondgirls: Ursula Andress, a primeira (amelhor?), saindo da água de biquíni e adaga na cintura - imagemque Halle homenageia no novo filme; Daniela Bianchi, HonorBlackman, Claudine Auger, Jane Seymour e Carole Bouquet, todaslindas, maravilhosas. O mundo nunca foi o bastante para JamesBond. Ele foi criado pelo escritor Ian Fleming para ser o espiãoque o próprio autor tentara, mas não havia conseguido, ser.Houve um forte impulso para que se criasse a bondmania, nos anos1960: o próprio presidente dos EUA, John Kennedy, declarou certavez que as fantasias de James Bond eram a sua leitura preferida.James Bond surgiu como um produto da guerra fria, um cavaleiroandante contra o comunismo e também contra todos os vilões quesonhavam (ainda sonham) dominar o mundo. Sobreviveu a tudo, atéà derrocada do comunismo. Que seja um inglês e fosse adoradopelo presidente americano não é a menor das ironias que cercam asérie. Alguém consegue imaginar George W. Bush, que quer ser opolícia do mundo atual, com um James Bond na cabeceira? Coleção James Bond - 007 contra o SatânicoDr. No, de 1962. Com Sean Connery e Ursula Andress. Moscoucontra 007, de 1963. Com Connery, Daniela Bianchi, Lotte Lenya Robert Shaw e Pedro Armendáriz. 007 contra Goldinger, de1964. Com Connery, Honor Blackman e Gert Fröbe. 007 contra aChantagem Atômica, de 1965. Com Connery, Claudine Auger eAdolfo Celi. Com 007 Viva e Deixe Morrer, de 1973. Com RogerMoore, Yaphett Koto e Jane Seymour. 007 - Somente para SeusOlhos, de 1981. Com Moore e Barbara Bach. 007 - Permissãopara Matar, de 1989. Com Timothy Dalton e Talisa Soto. 007contra Goldeneye, de 1995. Com Pierce Brosnan, IsabellaScorupco e Famke Jenssen. 007 - O Mundo Não é o Bastante, de1999. Com Brosnan, Sophie Marceau e Robert Carlyle. Lançamentosem DVD da Fox. Nas locadoras e lojas. Caixa: R$ 329,90. Cada DVD R$ 34,90.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.