Jair Rodrigues lançará 46º CD 'Jair em Branco e Preto'

Jair Rodrigues de Oliveira não envelhece. Parece um menino, que, aos 68 anos, vai lançar neste mês o 46º disco - ''Jair Rodrigues em Branco e Preto'', pela Trama. Anteontem, em apresentação no Bourbon Street, pelo Sala do Professor Buchanan''s, transmitido ao vivo pela Rádio Eldorado, ele entrou no palco ao pulos, que seriam dados por quase uma hora e meia, para cantar seus sucessos, no melhor estilo ''Dois na Bossa'', álbum lançado com Elis Regina a partir de gravação de show no Teatro Paramount, em 1965.A parceria bem-sucedida com a Pimentinha daria origem no mesmo ano ao programa Fino da Bossa, na TV Record. "E me daria a chance de comprar uma casa para minha mãe e um apartamento para mim", diz o cantor paulista, que tem como ídolo eterno Agostinho dos Santos (1932-1973).No medley de abertura, Jair cantou uma série de sambas, sempre presentes, desde o começo, na sua carreira, como nos primeiros elepês Vou de Samba com Você e O Samba Como Ele É, lançados um pouco antes de estourar com Deixa Isso pra Lá, que não foi cantada no show. Mas Disparada não faltou. Brincando aqui e ali com um tamborim, um pandeiro e um apito, Jair cantou, entre outras, Triste Madrugada, Isto Aqui, O Que É?, Você Abusou, acompanhado por Paulo Dáfilin (guitarra e viola de 12 cordas), Marcelo Maita (teclado), Carlos Santos (contrabaixo) e Ary Dias (bateria).Ele deu uma palhinha do disco novo, com os sambas Como Tem Ladrão (Ary do Cavaco e Otacílio da Mangueira) e Madrugada Sorrindo De Novo (Almir Guineto e Gilson de Souza). No bis, vestindo uma terceira camisa diferente, Jair desceu do palco para no meio do público fazer piadas e cantar o samba-enredo É Hoje. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.