Jack, o Estripador, retorna ao East End londrino

Jack, o Estripador, vai retornar aodistrito de Londres no qual fez sua "zona de caça" particular,cometendo alguns dos mais célebres crimes da história que nuncaforam elucidados. Mas, num país em que as manchetes da semana passada falavamda condenação de dois assassinos em série, os moradores do EastEnd londrino, antes miserável mas hoje próspero, não têm nada atemer. O retorno do assassino de prostitutas do século 19 vaiacontecer numa exposição que tratará da época, da área, dasvítimas e dos possíveis responsáveis pelos crimes que chocaramo país e, desde então, inspiraram muitas obras populares deficção. Numa prévia da exposição promovida esta semana, a curadoraJulia Hoffbrand disse à Reuters: "Exploramos Jack, oEstripador, dentro do contexto do East End, explicando quemvivia na área e como era viver ali." "Os assassinatos e a atenção que despertaram na mídialançaram luz sobre as condições deploráveis da área, marcadapela prostituição, a imundície, a violência e a criminalidade." A cobertura sensacionalista dos crimes feita pela imprensalevou a rainha Vitória a indagar se não seria possível ajudaras mulheres miseráveis do distrito pobre, infestado deparasitas e marcado por doenças. A exposição, que será inaugurada em 15 de maio no MuseuDocklands, permanecendo até 2 de novembro, também desfaz algunsdos mitos em torno do assassino cuja identidade até hoje motivaespeculações. Presume-se que o Estripador tenha matado e mutilado cincoprostitutas jovens. Mas, usando arquivos policiais, a exposição revela que asautoridades acreditavam que até 11 assassinatos podem ter sidocometidos pela mesma pessoa entre abril de 1888 e o início de1891. As teorias da época eram que o assassino seria membro daaristocracia, ou até mesmo da realeza. Mas Hoffbrand observou que a maioria dos nomes mencionadosnesse contexto só apareceu após a 2a Guerra Mundial. Elaespeculou que essa distinção de classe, antes inexistente, podeter sido fruto das reviravoltas sociais que se seguiram àguerra. "As pessoas mencionadas na época eram judeus -- um grupoque apenas recentemente havia começado a ocupar o East End --,médicos e socialistas radicais. As teorias envolvendo um'outsider' foram aventadas muitos anos depois." O nome "Jack, o Estripador" veio de uma carta escrita emtinta vermelha enviada à agência central de notícias, quecomeçou assim: "Ouvi dizer que a polícia me prendeu, mas elanão vai dar jeito em mim por enquanto...," assinada "Jack, oEstripador". A exposição será acompanhada por uma série de palestras epasseios guiados pelas ruas onde o Estripador cometeu seuscrimes sangrentos, 120 anos atrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.