J. Carlos Martins e Moreira Lima: 2 mil pessoas em NY

O maestro João Carlos Martins regeu a Filarmônica Bachiana Sesi-SP, o pianista Arthur Moreira Lima como convidado especial e as emoções de mais de 2 mil pessoas que foram ao concerto deles domingo à noite, no Avery Fisher Hall do Lincoln Center, em Nova York. A maior parte do público era a quem João Carlos e Moreira Lima têm se dedicado cada vez mais: brasileiros (emigrados, neste caso) que provavelmente nunca teriam ouvido ao vivo composições de Bach, Villa-Lobos, Chopin e até um dificílimo concerto para piano e orquestra do argentino Alberto Ginastera se não fossem as empreitadas dos dois procurando democratizar a música clássica. O mesmo espetáculo estreará na capital paulista no sábado, na Sala São Paulo.

Tonica Chagas ESPECIAL PARA O ESTADO NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2010 | 00h00

A história de João Carlos é dos principais instrumentos dessa democratização. Pianista de fama internacional, ele perdeu os movimentos das mãos porque, como compara, teve "mais acidentes do que o número de fugas compostas por Bach", compositor que é sua paixão. Há seis anos aprendeu regência e criou duas orquestras, unidas agora como filarmônica. Brasileiros que vivem em Nova York e cidades vizinhas esgotaram os ingressos para o concerto no Lincoln Center em menos de dois dias.

A vida profissional do hoje maestro e Moreira Lima tem paralelos. Ambos iniciaram como prodígios, aos 8 anos, e são reconhecidos entre os melhores pianistas do mundo. João Carlos conseguiu que suas orquestras fossem patrocinadas pelo Sesi e outras entidades, o que possibilita concertos como o do Lincoln Center e da Sala São Paulo, e chegue a comunidades carentes brasileiras. Moreira Lima pôs seu instrumento num caminhão que vira palco e tem levado música ao interior do Brasil com o projeto Um Piano pela Estrada.

Muito aplaudido e com o público em lágrimas, João Carlos encerrou regendo a orquestra num arranjo do Hino Nacional em diferentes ritmos brasileiros. "Há eruditos que ficam de sobrancelha arrepiada por fazermos isto, Mas o (Daniel) Barenboim faz o bis da Filarmônica de Berlim com Tico-Tico no Fubá; a Filarmônica de Nova York tem aberto temporada com jazz. Por que não investir em novos públicos?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.