Ivan Lessa: O cinema aberto

Sugiro que levem o cinema nacional às favelas cariocas e que a plateia participe como figurante de uma instalção artístico-social.

Ivan Lessa, BBC

07 de janeiro de 2011 | 06h12

Outro dia mesmo, eu andei falando aqui dessa zorra que está na moda por aqui para uns pouco londrinos novidadeiros.

Recapitulo para os que estão chegando atrasados, no escuro e sem lanterninha. Trata-se do The Secret Cinema, ou, bem traduzindo, O Cinema Secreto. Simples. E complicado.

A pessoa, de bom gosto e alguns recursos, entra num site, ou sítio, com esse nome, se registra e fica aguardando o convite para o próximo espetáculo. Um filme e sua exibição.

Mas exibição é pouco. Trata-se de uma espécie de "cinema instalação", como me deu na telha chamar.

O sócio recebe o aviso do dia, hora e local do acontecimento (lembram-se dos happenings? Lembra um pouco).

Você paga uns bons cobres para ver um bom filme em condições especiais. Muito especiais.

Falei do último a ser levado. Um Estranho no Ninho, Jack Nicholson, malucos. Vocês manjam. Mas não como o Secret Cinema leva.

Em local escolhido a dedo e com coisa à beça antes do início do espetáculo. E não me refiro a papo na sala de espera e a venda de balas e sorvetes. Pura e sofisticada super-produção.

O filme em questão era, para traduzir a expressão deles, apenas a cereja no topo do bolo.

Antes de passarem, grupos vagueavam maquiados de loucos andando pra cima e pra baixo, sangue na parede, cantando músicas esquizofrênicas. O diabo, enfim. Nunca fui. Pretendo ir.

O que eu queria, neste ano novo, é que, já que estamos inovando, com butiques, hotéis e cinemas em 3D nas favelas, como solução social, para um país e uma cidade, o Rio, com uma das mais desiguais sociedades na face da Terra (segundo li aqui mesmo, no site em inglês, na BBC), e também com presidente ou presidenta, como ela se chama, nova e governador em segundo mandato, o que eu queria, repito é, de longe, dar uma sugestão criativa.

Já que o Complexo do Alemão leva filme do Jeff Bridges digitalizado e em 3D, por que não, patriotas que somos, prestigiarmos o produto nacional? De comprovada qualidade, conforme vinha antes nas telas?

Dou um exemplo à guisa de sugestão. Uma cópia nova do imortal Deus e o Diabo na Terra do Sol, do grande Glauber Rocha. Não precisa ser em 3D.

Cópia nova e cercada de curtição tipo arte de instalação, feito como estão fazendo por estas bandas. Mas tem que ser em favela. E favela daquelas perigosas, se é que já não foi saneado o que os pessimistas e mal humorados chamam de "problema" ou "pobrema".

As pessoas se inscrevem, online, naturalmente, pagam uma quantia razoável, já que somos a terra do Eike Batista, o oitavo homem mais rico do mundo, daí ficam aguardando o dia da exibição. Ou mostra. Vernissage. Como queiram.

A coisa se passaria num vasto galpão abandonado pelos traficantes presos ou ainda recentemente recuperados para a sociedade.

Teríamos que dar asas à imaginação e inventar uma miséria sertaneja, já que esta não existe mais, conforme sabemos.

Soltar, no local, pelos ares urubus e abutres grasnando para valer. Tá bom, vá lá: periquitos e araras fantasiados.

Povoar o recinto com pobres (também se ainda os houver) uivando de angústia existencial, mas parrudos e de feições nobres. Todos vestidos de nordestinos ou cangaceiros. A gesticular e falar desordenadamente coisas sem nexo em puro carioquês dos anos 60.

Ali adiante, um fanático religioso, a cara de Antonio Conselheiro, com um cajado, tentando acertar na cabeça pessoas sem ares de autoridade armada.

Em cantos estratégicos, homens e mulheres de aspecto letrado e cinematográfico discursando sobre crises, explicando porquê a miséria leva muita gente a extremos (mesmo extremos de otimismo ou cegueira).

Um casal portando cartazes se dizendo chamar Manuel e Rosa peitando paranaenses fantasiados de coronéis nordestinos com chapéus feitos de jornal velho.

Quatro cachorros, treinados para fazerem o papel de gado, ladrando de fazer dó. Um beato destituído de rouge e batom murmura inanidades cifradas para quatro rapazes surfistas que se fazem passar por cangaceiros.

Um aspirante a teleator grita em falsete: "Socorro, socorro! O massacre de Canudos vem aí!"

Sentimentos complexos em ângulos irregulares focalizam o cangaceiro Corisco, que, loiramente, e desoculado, tenta imitar, entre trejeitos e esgares, Lampião.

Um paulistão forte e barbudo, armado de pizza e garapa, avisa entre ponchos, do alto de um cavalo magro, que "um dia o mar vai se tornar sertão e o sertão vai se tornar mar". Nos muros, grafites incompreensíveis se esgoelam, berram, uivam.

Incessante, de um alto-falante, em câmera de eco, uma voz fremente proclama, "Eu sou um gênio! Eu sou um gênio!".

Depois, no ar condicionado, em confortáveis poltronas feitas de couro de bode e cabra, passam o filme debaixo de uma saraivada de palmas a cada sequência.

"Genial! Genial", ululam todos, quase que em uníssono.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
ivan lessacoluna

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.