Ivaldo Bertazzo estréia novo espetáculo

O coreógrafo Ivaldo Bertazzo volta à cidade para apresentar seu novo espetáculo, Folias Guanabaras, que estréia nesta quarta-feira no ginásio do Sesc Ipiranga. O espetáculo mostra ao público o trabalho desenvolvido com adolescentes - que formam o corpo de baile da peça - vindos do Complexo da Maré, um bairro pobre do Rio de Janeiro.Folias é a seqüência do projeto Mãe Gentil, no qual Bertazzo busca inserir meninos e meninas de baixa renda na sociedade, via dança. "No ano passado nos apresentamos no Sesc Belenzinho, neste, por sugestão do patrocinador (Petrobras), trabalhamos com as pessoas do Complexo da Maré, no Rio", diz Bertazzo. A empresa desenvolve um projeto com a Ong Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré que atende a 16 comunidades na região, o que facilitou o contato entre o artistas e a moçada."O local é instigante e o trabalho que já estava sendo desenvolvido ali motivou os garotos a dançar", avalia. Foram cinco horas de ensaio de terça a domingo, a moçada prova que foi bem ensaiada ao ficar mais de uma hora no palco. O coreógrafo prepara o que chama de "cidadão-dançante" - pessoas que procuram novas possibilidades de movimentação para o corpo. "Essas crianças saem de uma nova maneira ao conhecerem a dança, porque ampliam suas referências, têm acesso a informações. Procuramos formar cidadãos que tenham desejos e necessidades. O Complexo da Maré sofre com a violência, mas possui, acima de tudo, seres humanos, com interesses dignos, que devem ser respeitados."Outra idéia presente no espetáculo é formar técnicos e especialistas para as artes cênicas. "O espetáculo conta com 66 integrantes, entre eles quero formar dançarinos e profissionais especializados no teatro, uma área carente de técnicos", comenta. Para Bertazzo, esse é um campo a ser explorado. "As escolas de samba possuem pessoas voltadas à produção de carros alegóricos, figurinos, entre outros setores, já o teatro não possui esse tipo de escola tão desenvolvida", avalia.No palco - O espetáculo foi desenvolvido a partir de um texto de Bráulio Tavares. "No início, havia uma certa dificuldade em arrancarmos idéias das crianças, havia a necessidade de estimular, apresentar temas, foi aí que surgiu o texto de Tavares", conta. Um telão projetas imagens do Rio, típicas de cartão-postal, até chegar ao Complexo da Maré.A história é simples: trata da disputa entre dois deuses para criar um mundo novo. A primeira coisa a ser feita é o mar, depois as florestas até chegar nas cidades. "O roteiro é singelo, o destaque fica por conta da percepção dos problemas a serem resolvidos nos centros urbanos. É uma reflexão sobre o futuro", comenta.Fora a presença dos meninos, em cena a atriz Rosi Campos, Seu Jorge. DJ Dolores e Elza Soares. "São casamentos interessantes tanto na atuação como nas músicas. O espetáculo dá seqüência ao trabalho em torno do Teatro Musical Brasileiro, muito diferente daquilo que é feito na Broadway, aqui temos algo híbrido, que dialoga com outras concepções artísticas", pondera.Essa pesquisa deve prosseguir. "Teremos apoio da Petrobras por mais dois anos, o que possibilita o desenvolvimento dessa linguagem e o amadurecimento do projeto." Para 2002, Bertazzo e a moçada da Maré levam o Folias aos Estados Unidos. Há projetos para um novo espetáculo, que contará com cem integrantes, a formação de uma orquestra e a disseminação de informações. "Pretendo que os meninos multipliquem aquilo que aprenderam, levando o conhecimento para outras escolas da região", planeja.Serviço - Folias Guanabaras. De quarta a sábado, às 21 horas; domingo, às 19 horas. R$ 7,00 e R$ 10,00. Estacionamento, R$ 5 00. Sesc Ipiranga. Rua Bom Pastor, 822, tel. 0--11 3340-2000. O ingresso dá direito a um livro sobre o Projeto Complexo da Maré. Até 18/11. Patrocínio: Petrobras e governo federal

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.