Itaú Cultural abre em BH a mostra "Rumos da Nova Arte Contemporânea"

Para iniciar o programa deexposições da segunda edição do projeto Rumos Itaú CulturalArtes Visuais, que desta vez selecionou 69 artistas brasileirosa partir de um mapeamento da produção artística contemporânea detodo o País, será aberta nesta sexta-feria, no Palácio das Artes deBelo Horizonte, a mostra Rumos da Nova Arte Contemporânea,com curadoria de Fernando Cocchiarale, coordenador-geral doprojeto. Depois de apresentada na capital mineira, a exposiçãomigrará para São Paulo, onde deve chegar no fim do mês deabril. O projeto Rumos Itaú Cultural Artes Visuais recebeuinscrições de 1.495 artistas, dos quais foram escolhidos 69.Fernando Cocchiarale, três coordenadores e mais novecuradores-adjuntos foram responsáveis por todo o processo demapeamento e seleção dos artistas. Vale dizer que essa exposiçãoinaugural - Rumos da Nova Arte Contemporânea - será a maisabrangente de todas as outras 13 previstas pelo programa, já quecontará com os trabalhos de todos os artistas escolhidos. Asoutras mostras, também itinerantes, serão três de médio porte(com cerca de 18 artistas em cada uma) e de pequeno porte, comtrabalhos de cinco representantes. Segundo Fernando Cocchiarale, que também é curador doMuseu de Arte Moderna do Rio, Rumos da Nova ArteContemporânea reunirá os temas de cada uma das três exposiçõesde médio porte. São três segmentos, mas, como afirma o curador,"a arte contemporânea tem uma identidade plural" e, por isso,essas três categorias são mais para sinalizar questões atuais daarte. Uma dessas questões é a "crise do sujeito", no sentidode que a "nossa identidade é múltipla". Com o título Entre oMundo e o Sujeito, esse segmento contará com trabalhos quemostram o corpo humano (quase sempre nu) e seus fragmentos alémde imagens de ambientes desertos, vazios. "Acho que são índicesdessa ausência do sujeito e os corpos são a afirmação deidentidade", diz Cocchiarale. As outras duas partes, Poéticas da Atitude: OTransitório e o Precário e Arte: Sistema e Redes, tratam,respectivamente, da "poética do efêmero" - performances e aprecariedade de materiais -, e da "rede de relações que formamo circuito de arte". Neste último segmento também há obras quediscutem a arte e tecnologia. Ainda será inaugurada nesta sexta, no Itaú Cultural BeloHorizonte, a exposição Sobre(A)ssaltos, também parte doprojeto Rumos Artes Visuais. Com curadoria de Marisa FlóridoCesar, a mostra é um registro das intervenções que estão sendofeitas desde o dia 12 na capital mineira por oito artistas:Ducha, Graziela Kunsch, Carla Linhares, Alexandre Vogler, JorgeMenna Barreto, Marcelo Cidade, Felipe Barbosa e Rosana Ricalde.Sobre(A)ssaltos pode ser vista até o dia 26 de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.