Itália abandona Salão de Paris após protestos contra Berlusconi

Em resposta aos protestos contra o primeiro-ministro Silvio Berlusconi, a delegação italiana presente ao Salão do Livro Paris decidiu hoje cancelar sua participação. A Itália é o país homenageado nesta edição do evento, inaugurada ao público nesta sexta-feira, no Parque de Exposições de Versailles. O anúncio do cancelamento oficial foi feito Nicola Bono, sub-secretário de cultura da Itália.O incidente diplomático era um risco conhecido, devido às críticas da ministra francesa da cultura, Catherine Tasca. Ela havia dito que se recusava a presidir a abertura do Salão junto com Berlusconi, em solidariedade ao grande número de intelectuais que fazem forte oposição ao dirigente italiano. O conflito parecia contornado, desde que Berlusconi não confirmou presença em Paris.Ontem, porém, durante a abertura do salão para convidados, manifestantes com cartazes "Itália sim, Berlusconi não" reacenderam a polêmica. A ministra francesa afirmou hoje desaprovar os protestos da quinta-feira, mas "as desculpas não foram suficientes", disse Bono.Brasil - A feira francesa, uma das principais de todo o mundo, reúne este ano 1.250 expositores e espera receber, até o dia 27, um público de 300 mil pessoas. O Brasil comparece com um dos maiores estandes esgrangeiros, por meio da Fundação Biblioteca Nacional, celebrando o centenário de Carlos Drummond de Andrade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.