Itaim reúne a nova culinária japonesa

Adriano Kanashiro e Eaudaro Nagai comandam dois dos restaurantes de maior sucesso da elegante Rua Doutor Mário Ferraz, o Aoyama e o By Aoyama, que são bem diferentes. No primeiro, um rodízio de sushi dos mais concorridos e correto e no segundo sushis, sashimis e pratos quentes excelentes, muito criativos. A associação de Adriano com Eduardo deu certo, muito provavelmente porque eles se complementam. Ambos são jovens, dinâmicos e trabalhadores. Adriano é sushiman, trabalhou em várias casas, entre as quais a Sea House, de grande movimento e sucesso. Já Eduardo vem do mercado de peixes, que conhece muito bem. Assim, um pode garantir com competência a matéria-prima para que outro possa exercitar o seu talento, que é grande. Aoyama e By Aoyama são modernos, arejados, com música alta, bem inseridos no contexto meio chique dos jardins, com muito pouco a ver com os restaurantes japoneses tradicionais. Na casa-mãe, o Aoyama, um rodízio que custa R$ 28 e que acaba agradando, apesar de alguns toques de fast-food, como o de alguns sushis envoltos em alga preparados um pouco antes em grandes quantidades e dos montados com fatias de peixes cortadas com antecedência, o que não é o ideal. Outra concessão que pode comprometer o resultado final: os sushis não levam o tradicional wasabi, a pasta de raiz forte, que dá um toque especial, picante. Quem quiser, pode colocar na hora, mas não é a mesma coisa. Mas os sushis utilizam ingredientes de primeira e são bons, delicados, com pouco arroz, entre os quais os de atum, de salmão (ótimo), camarão (razoável), kani (dispensável), polvo (muito bom), de arroz enrolado em fatia de salmão com ovas desse peixe por cima, de tainha, de atum enrolado na alga (delicioso), temaki de atum (feito com alga, em forma de cone, correto). Agradam ainda os sashimis de atum, salmão e tainha. No rodízio, os pratos podem ser repetidos, com exceção dos sashimis. Ele ainda inclui vários pratos quentes. No Aoyama, é melhor ocupar um lugar no balcão e pedir que o competente sushiman Antonio Sousa faça alguns sushis na hora, pois eles são mesmo gostosos, delicados. No By Aoyama a conversa é outra. Ali, Adriano pode soltar sua imaginação e utilizar ingredientes mais caros, alguns inusitados, como o foie gras grelhado na chapa, que entra no grande prato da casa, um sushi com o arroz envolto no atum, com o fígado picadinho por cima. Uma delícia cara, R$ 28, quatro unidades. Essa criação já dá uma idéia da imaginação de Adriano, que continua em outros sushis, sashimis e pratos quentes. Quem quiser conhecer os pratos da casa pode pedir uma espécie de menu degustação e deixar por conta de Adriano (de R$ 60 a R$ 90, sempre mais perto da última cifra). Deliciosos os sushis de enguia sobre um creme de abacate escuro (R$ 9, a dupla) e um sushi enformado com atum picado, um pouquinho de foie gras picadinho, que serve como uma espécie de tempero e calda de figo (R$ 14). Os sashimis também passam longe da rotina, como provam o de atum picado com molho de mexerica, gengibre, nabo e saquê (R$ 18); o de salmão com molho de lichia com hortelã, shoyu e saquê (R$ 14) e o de polvo com molho de pêra e maçã verde (R$18). Os pratos quentes merecem também ser conhecidos, especialmente os camarões grelhados com um purê de abóbora japonesa e um molho delicado de soja (R$ 34) e a anchova grelhada servida com tempurá de anéis de lula e purê de inhame (R$ 25). O By Aoyama avança pela madrugada e já virou um ponto de encontro de chefes de cozinha e outros notívagos.Aoyama - Rua Dr. Mário Ferraz, 465, Itaim, tel. 3078-6189By Aoyama - Rua Dr. Mário Ferraz, 441, Itaim, tel. 3078-5361

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2003 | 12h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.